Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Feliz Ano Novo

01 de Janeiro, 2014
Hoje começa mais um ano. 2013 entrou para a história. É hora para o balanço do que foi feito ao longo dos 12 meses e o que ficou por fazer. Desportivamente falando, o ano passado foi generoso para o desporto angolano e a imagem do país saiu beneficiada das prestações conseguidas e das organizações realizadas.

Embora se tenha consciência de que ainda há muito por fazer no plano infra-estrutural e subsista a necessidade de se aumentar em todas as modalidades a prática desportiva, pudemos chegar ao fim do ano e saborear alguns momentos inolvidáveis, em que a nossa bandeira subiu ao mastro mais alto e o nome de Angola ficou associado a uma ideia de modernidade e progresso.

A realização em Setembro do 41º Campeonato do Mundo de hóquei em patins constituiu o marco mais importante da trajectória desportiva do país. A exemplar organização deu a ver a África e ao mundo o que Angola é capaz de fazer num clima de estabilidade política e social. Vários foram os cidadãos de outras nacionalidades que cá estiveram e, no fim, todos souberam qualificar a nossa hospitalidade.

No âmbito colectivo, três modalidades merecem ocupar o pódio. O basquetebol, que por intermédio da selecção sénior masculina conseguiu resgatar o titulo africano que havia perdido em 2011 em Antananarivo. No basquetebol houve igualmente vitória das selecções de Sub-17 e Sub-20. Enfim, foi a modalidade ganhadora do ano. Convém não esquecer o triunfo do 1º de Agosto na Taça dos Clubes Campeões Africanos.

No andebol feminino as nossas equipas voltaram a mostrar a vitalidade da modalidade em Angola, apesar de a selecção não ter sido bem sucedida no mundial da Sérvia. Entretanto, mesmo perdendo alguns jogos, fez resultados fabulosos, que nos levaram a ficar todos rendidos à sua classe e categoria. No futebol, o mérito coube ao Kabuscorp do Palanca que foi o senhor do campeonato nacional da primeira divisão.

Por sua vez, o Petro, com estofo de campeão remetido ao jejum, e por via disso inconformado, cometeu a proeza de voltar a vencer a Taça de Angola (já o tinha feito em 2012). José Dinis, que conquistou o seu primeiro título com a equipa, colocou o seu nome na história do futebol nacional.

O ano que ontem terminou foi o que foi. O que interessa agora é olhar em frente e definir com clareza as metas para o presente ano. Desde já, os Palancas Negras, mal sucedidos em 2013, preparam-se para o seu grande desafio do ano que é a participação no torneio de apuramento ao CAN’2015, a decorrer em Marrocos. Que 2014 seja um ano cheio de conquistas desportivas.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »