Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Futebol e dinheiros

14 de Dezembro, 2013
O futebol transformou-se em indústria. Gere dinheiro mas também exige investimentos, principalmente quando se trata de alta competição, em que os intervenientes têm objectivos sempre definidos à partida, na qual uma participação airosa deve ter como base uma estrutura organizativa bem montada e funcional, além de um plantel com jogadores com qualidade.

O nosso futebol dá passos para afirmar-se e o nosso Girabola, principal campeonato do país, é hoje reconhecido como competitivo, fruto de investimentos feitos pelos clubes, com a contratação de jogadores de renome a ganhar cada vez mais contornos altos.

Não se justifica, pois, que clubes sem possibilidades financeiras queiram desfilar entre os grandes, quando a toda hora clamam por dinheiros para honrar compromissos com treinadores e atletas, em suma, para custear uma época desportiva que, como se sabe, abarca duas grandes competições, o Campeonato Nacional da primeira divisão e a Taça de Angola.

Não é bonito vermos o Sporting de Cabinda, equipa que lutou na Segundona para subir de divisão, começar já a falar em dificuldades financeiras, numa altura em que o futebol está no defeso.

Esse mesmo Sporting que protagonizou cenas tristes no ano da sua despromoção, com greves dos jogadores, que reclamavam o cumprimento dos compromissos assumidos com a direcção do clube, concretamente o pagamento de salários e prémios de jogo, pelo que não custa adivinhar que tal situação pode repetir-se, em função dessas lamentações que vêm da cidade mais ao norte do país.

Uma situação nada abonatória para o futebol, porque a manter-se deixa no ar o receio de desistência dessa ou de outra equipa que eventualmente venha a viver a mesma situação e, como se sabe, em nada se coaduna com a verdade desportiva que queremos sempre no futebol nacional.

É evidente que desejamos que o futebol de primeira água chegue a todos os cantos do país, até porque é um elemento catalisador da unidade nacional. Mas os clubes devem criar condições para poderem desfilar nas grandes competições, honrando os compromissos com treinadores, atletas e demais funcionários.

Últimas Opinies

  • 18 de Julho, 2019

    Final interessante

    Um mês depois de fortes emoções vividas nos estádios e em outros espaços fora e longe dos centros de disputa,  vamos ter,  finalmente,  amanhã dia 19, o cair do pano da XXXII edição do Campeonato Africano das Nações de futebol, organizado pelo Egipto.

    Ler mais »

  • 18 de Julho, 2019

    A dvida de Akw

    O dia 8 de Outubro de 2005, ficará para sempre gravado na história do desporto angolano e do futebol em particular.

    Ler mais »

  • 18 de Julho, 2019

    Assim no est nada bom

    Depois da decepção que foi a participação dos Palancas Negras no Campeonato Africano das Nações, que ainda decorre no Egipto, com encerramento previsto para amanhã, 19 de Julho, pensei que a paz voltaria, quanto antes, a reinar no “quintal” do futebol doméstico, de si já prenhe de problemas.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Uma seleco coxa sem craques de elite

    A qualidade  dos jogos dados a ver pelos Palancas Negras no CAN do Egipto, mostrou, mais uma vez, que não temos um estilo que nos identifica em termos de estilo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

Ver todas »