Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Garotos audazes

06 de Julho, 2017
A vela angolana volta a estar na boca do mundo, pela positiva, após os jovens velejadores de optimist revalidarem o título africano para o país, na competição que teve o Egipto como palco da consagração dos angolanos, e cujas competições têm os encerramentos previstos para hoje.

Um triunfo que se renova, após a conquista no último campeonato que teve como sede Angola, e que apenas confirma a forma audaz como o órgão reitor da modalidade soube tirar proveito das potencialidades dos atletas e da condições naturais que o país tem, muitas vezes em condições adversas.

Em boa verdade, a natureza foi magnânima com os angolanos no que concerne às condições naturais para a prática dos desportos náuticos, pois, deu ao país uma imensa costa marítima onde se praticam os mais diversos desportos aquáticos.

Daí, não constituir surpresa, o facto de tanto os jovens velejadores, assim como outros desportistas ligados ao mar, obterem títulos continentais e mundiais, como já foi o caso dos nossos pescadores.

Desde há muito, que as potencialidades dos velejadores são expostas com êxito nos mais diversos eventos desportivos em que o país participa, e agora em Alexandria na competição por equipas, Angola confirmou a supremacia, uma vez que na prova que organizou, deu provas do que podia fazer em edições futuras.

Ainda assim, o percurso da vela nem sempre deslizou em águas calmas, nem sempre houve compreensão necessária para acompanhar as potencialidades dos jovens atletas que surgem quase todos os anos, e sempre com a mesma perseverança. A Ilha de Luanda é desde sempre um viveiro de talentos para a modalidade, e os resultados que os atletas alcançam devem suscitar melhor entendimento por parte de quem de direito para os problemas que afligem atletas e clubes, numa palavra a própria modalidade.

A vela também é um embaixador do país além -fronteiras, e os resultados que os nossos atletas alcançam nas diversas competições internacionais, não deixam margens para erros, quanto ao potencial existente.

As águas douradas de Alexandria serviram para a consagração dos angolanos, nas provas que serviram para mostrar o domínio na competição por equipas.

E, o país agradece, pois.

Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »