Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Girabola espreita

15 de Agosto, 2019
Vem aí o Girabola, o nosso apetecível campeonato nacional de futebol da primeira divisão. Paira no ar alguma expectativa, por parte dos seus principais consumidores, tenham os defeitos que tiverem, tenham as virtudes que tiverem, tenham o cortejo de problemas administrativos que tiverem. Afinal, em 49 anos de percurso fez a sua História e conquistou os seus amantes.
A nível das equipas acertam-se os detalhes finais, tanto do ponto de vista técnico, como do ponto de vista administrativo, para que as coisas corram de feição, ainda que a muralha de dificuldades esteja sempre erguida no caminho, feito um dique desencorajador. Encarar a prova com um menor índice de dificuldades, constitui, indubitavelmente, o objectivo de todos os clubes participantes.
É evidente, que o grau de dificuldades nunca é o mesmo, em relação a todas as equipas. Existem aquelas com saúde financeira inquestionável, outras que não nadam em dinheiro, porém, conseguem com algum exercício suplementar distanciar-se dos tentáculos da crise e outras ainda, sabe Deus como se aguentam durante longas e exigentes 30 jornadas.
Estas últimas, é que tiram o sono à própria Federação Angolana de Futebol, enquanto entidade organizadora do campeonato. Até parece que arriscam, que entram para o desafio com o pouco de que dispõem, para a qualquer altura soltar o grito de socorro, com ameaças de desistência de permeio. Este é, realmente, um factor que tem inquietado e de que maneira, o órgão reitor do futebol nacional.
Por exemplo, a prova arranca com problemas, depois do Benfica do Lubango comunicar à FAF a intenção de não participar, por dificuldades financeiras, para dias depois dar o dito por não dito. Entretanto, a FAF tinha encontrado uma alternativa para suprir a desistência dos encarnados do Lubango. Logo, seria uma desonra à alternância, voltar a inserir quem já se manifestou em retirada.
Até aqui, pensamos que a Federação está coberta de razão. Pois, a equipa podia iniciar a prova e ao chegar à metade de primeira volta, surgir, novamente, com o mesmo discurso. Além do mais, o Wiliete Sport Clube de Benguela que é a equipa que veio em substituição, estava em preparação para a competição e com a programação traçada.
Esperamos que depois deste caso, não surjam outros, por que a desistência a meio acaba por ser mais complexa ainda, implica a retirada de pontos às equipas que tenham pontuado diante da desistente, como força o repouso a uma equipa em cada jornada que se dispute. Fazemos votos que o campeonato não venha a conhecer muitos contratempos, em defesa da qualidade do mesmo.

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »