Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Girabola de todos

19 de Agosto, 2019
Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola. É enorme a alegria do público que vive com redobrada paixão, as emoções do futebol doméstico. Para trás, ficaram largas semanas de defeso, quase sempre incómodas para esmagadora maioria dos que apreciam o belo e a arte, que há no jogo do pontapé na bola.
Com base no calendário, serão perto de nove meses de muita refrega nas quadras de futebol e também muitas emoções, com frustrações de permeio. Porque o futebol tem a particularidade de mexer com todas as sensibilidades, de criar motivos de alegria aqui, é de tristeza ali, tudo determinado pela forma como os adeptos interpretam os resultados, dos respectivos emblemas em competição.
A prova arrancou, não de forma diferente, em relação às outras edições, com a mesma carga emotiva, com os mesmos candidatos, com as mesmas promessas. De outro modo, também não podia ser, sabe-se, à partida, quem são as equipas mais capazes, as menos capazes e as outras que não estão, nem tão para cima, nem tão para baixo.
Apesar de cumprir com o que dela se podia esperar, a primeira jornada não deixou ainda indicadores, de como podem vir a ser as coisas mais lá para frente. Aliás, isto é próprio. Uma jornada não oferece, nem mesmo ao mais atento observador, a leitura pormenorizada do que pode vir a ser os contornos da prova, na fase mais adiante. Entretanto, que houve jogos interessantes, lá isto houve.
No cômputo geral, as equipas apresentaram-se em grande, quer se fale das vencedoras, como das que entraram a perder. A estas últimas, não podemos tirar o mérito. Pois, o começo nem sempre é fácil. Para muitas, precisa-se ganhar rodagem para acertar, explodir e adquirir mais capacidade reactiva.
As próximas jornadas vão ser, seguramente, mais auspiciosas, de resto, esse é o elemento que concorre para a qualidade do torneio. Por ora, contentemo-nos, apenas, com o facto das emoções terem voltado às quadras e exercerem o domínio sobre os homens. Bem haja Girabola...

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »