Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Girabola est ao rubro

10 de Janeiro, 2019
O Campeonato nacional de futebol da primeira divisão, regista uma renhida disputa, quanto às posições cimeiras. As formações do 1º de Agosto, Desportivo da Huíla e Petro de Luanda travam uma espécie de batalha campal pela liderança, tal é pois, a determinação por estas evidenciadas. O Kabuscorp do Palanca, por sua vez, não fica distante.
Na verdade, é este equilíbrio na disputa que confere interesse e suspense a qualquer torneio, porque muitas vezes o domínio absoluto de um, retira a beleza que o público espera da competição. Portanto, não significa que os tropeços que o campeão nacional teve, nos tenham agradado. Em competição é assim. Quem tropeça facilita a concorrência.
Houve uma determinada fase, em que os militares tinham uma relativa vantagem sobre os outros concorrentes, porém, os sucessivos empates que consentiu com o Progresso do Sambizanga, Recreativo do Libolo e Saurimo FC , abriram caminho de ascensão às outras equipas, que basearam-se no aforismo \"no aproveitar está o ganho\" é claro que não desperdiçaram.
À saída da décima jornada, as duas turmas militares (1º de Agosto e Desportivo da Huíla) estão \"ex-aequo\" no topo da classificação, somam 19 pontos, são seguidas de perto pelo Petro de Luanda, que soma 17 pontos. Portanto, os números atiçam a competitividade, prevê-se para as próximas jornadas disputa acérrima e certamente com processo de revezamento na liderança.
Esta semana, o Petro de Luanda desloca-se à Bamako, para defrontar no sábado o Stade de Malien, para a Taça da Confederação. Este particular pode alterar as coisas no comando, deve o 1º de Agosto voltar a isolar-se, caso vença o Recreativo da Caála, na deslocação ao Planalto Central. Os petrolíferos iam jogar com o Desportivo da Huíla, no que devia ser um verdadeiro \"tira-teimas\" da jornada.
Com efeito, o que se depreende, apesar da decadência de algumas equipas de topo, por razões que pode ser que tenha a sua razão de ser, como são os casos do Interclube e do Recreativo do Libolo, as outras não perderam o timbre de aguerridas e fortes candidatas ao título. Mesmo o Recreativo do Libolo dá sinal de que tem alguma palavra a dizer no presente campeonato.
De resto, os três pontos que os separam do 1º de Agosto e do Desportivo da Huila, não constituem uma margem de diferença assustadora. Desde que se fixem nos seus objectivos e saibam, por outro, aproveitar as oportunidades que apareçam à frente, pode lá chegar. E, é já muito bom, quando o título envolva mais que duas ou três equipas.
É claro, que ainda se está a meio do campeonato, não se descure a hipótese de algumas equipas fracassarem e se verem sem fôlego para às exigências da segunda volta. Entretanto, vamos esperar que isso não aconteça, tenhamos um campeonato disputado até ao limite, é afinal este quesito, que agrada o público consumidor do espectáculo.

Últimas Opinies

  • 18 de Abril, 2019

    Lgrimas na Semana Santa

    Firmados, na celebração da Semana Santa, fomos apanhados de surpresa, por duas notícias que forçaram o correr de lágrimas de tristeza

    Ler mais »

  • 18 de Abril, 2019

    Que esperar de Angola no CAN?

    Os Palancas Negras disputam, pela oitava vez, o Campeonato Africano das Nações (CAN).

    Ler mais »

  • 18 de Abril, 2019

    Cartas dos Leitores

    Neste momento, as condições ainda não estão criadas.

    Ler mais »

  • 18 de Abril, 2019

    As homenagens

    As homenagens valem o que valem. E, é comum ouvir dizer, que assumem maior significado quando o homenageado ainda está em vida.

    Ler mais »

  • 18 de Abril, 2019

    Momento definidor

    À hora em que lê, véspera do sorteio do CAN do Egipto, a exaltação é para a nossa reaparição, nas vestes dos Palancas Negras.

    Ler mais »

Ver todas »