Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Girabola vai a sorteio

24 de Setembro, 2018
Por entre a alegria da qualificação do 1º de às meias-finais da Liga de África dos Clubes Campeões, o que em última instância acaba por beneficiar o próprio futebol angolano, que nos últimos foi um grande \"saco de bancadas\", a Federação Angolana de Futebol apresta-se para efectuar o sorteio do Girabola de 2018/2019, cumprindo assim com as orientações da Confederação Africana de Futebol, para que haja a uniformidade dos calendários nacionais em todo o continente. E é bom que se diga, desde já, que o panorama não é nada animador. A crise continua a assombrar um grande número de agremiações, com muitas delas a fazerem contas à vida, por esta altura, dado que o nosso campeonato é, de facto, muito exigente em termos financeiros para os clubes nele participantes. A desistência, este ano, do JGM da competição é um exemplo que se deve ter conta, para que situações similares não voltem a ocorrer. O presidente da FAF já disse que o organismo que dirige vai exigir dos clubes participantes garantias financeiras de que estejam capazes de suporta os custos da prova, sem criarem transtornos para ninguém, com eventuais renúcias. Uma medida certa, mas que se pode duvidar da sua eficácia, se atendermos ao facto do custo de vida não se manter estático. Antes pelo contrário, continua a subir, pelo que para os próprios clubes se torna difícil fazer uma estimativa do que precisam para chegarem até ao fim da jornada, leia-se fim do campeonato. O número de equipa fica completo com a subida das três formações que ascenderam de divisão, o regresso do ASA e do Santa Rita de Cássia do Uíge, depois de uma passagem pelo escalão inferior, bem como a presença inédita do Bikuko da Lunda Sul, que no ano da sua fundação consegue o feito de figurar entre os grandes do futebol nacional, o que levanta algumas questões, como é o facto de ser muito fácil, em casa nossa, as equipas subirem de divisão, quase com um toque de magia, colocando-se também em causa a sua própria sustentabilidade. À partida com dezasseis equipas e, pelos vistos, com o mesmo modelo de disputa, o Girabola prestes a ser sorteado promete mais disputa. Nesta altura já há movimentações no mercado e cada um vai gastar que acordo com o que os seus cofres possibilitarem. Os clubes já devem ter percebido (ou deviam perceber) que os gasto exorbitantes fazem parte do passado, e que devem ter uma gestão mais cuidadosa, para não andarem depois como pedintes. exorbitantes fazem parte do passado, e que devem ter uma gestão mais cuidadosa, para não andarem depois como pedintes.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »