Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Grupo completo

08 de Outubro, 2018
A preparação dos Palancas Negras para o jogo com a Mauritânia, na corrida para o CAN de 2019, ganha corpo hoje quando o grupo convocado pelo seleccionador Serdan Vasilevic ficar completo, com a chegada dos jogadores que evoluem na diáspora.
Do lote de convocados, é visível a chamada de alguns jogadores jovens, que esperam ter a sua oportunidade na equipa nacional, pois, vestir as cores da Selecção Nacional deve ser em última instância, a ambição de qualquer atleta.
Porém, é preciso entender que mesmo convocados agora, nem todos na filtragem podem fazer parte das opções do treinador, para a empreitada que se avizinha, com duas etapas: uma, já no dia 12, em Luanda, e outra, em casa do adversário.
A equipa técnica só pode contar com um número determinado de jogadores. Ainda assim, os que forem dispensados, tal não significa, que tenham fechadas as portas da Selecção Nacional.
Os compromissos da equipa nacional não se vão esgotar com os confrontos com a Mauritânia, ou com os jogos referentes à fase de qualificação ao CAN dos Camarões, no próximo ano, pelo que devem ter outras oportunidade para mostrar ao seleccionador nacional as suas potencialidades e competências.
À espera que chegue o dia, o importante é que os atletas preteridos mantenham a mesma postura de estarem disponíveis para servir a selecção, quando forem solicitados. Afinal, mesmo dispensados, podem começar a viver o clima da selecção nacional, ambientando-se ao trabalho que ali se faz, e às exigências do técnico.
O jogo com a Mauritânia é de extrema importância para as aspirações do conjunto nacional, que posicionada na segunda posição do seu grupo, lugar partilhado com o Burkina Faso, precisa de inverter o quadro e subir para o primeiro posto. Isso, só pode ser possível, se tirar partido do factor casa e terminar a partida com vitória assegurada.
O último resultado dos Palancas Negras frente ao Botswana, vitória no Estádio 11 de Novembro, assim como a performance do 1º de Agosto na Liga dos Campeões, afastamento do TP Mazembe e a vitória sobre o Esperance de Tunes na primeira -mão das meias-finais, criaram bom cenário para o futebol nacional.
Com isso, volta a registar-se, de novo, uma grande empatia entre os adeptos e os artistas da bola que defendem tanto as cores da Selecção Nacional, como os que vestem a camisola rubro -negra.
Espera-se, agora, que a sintonia que se observa entre adeptos e jogadores, catapulte as nossas equipas para resultados animadores, particularmente, para os Palancas Negras que no jogo com a Mauritânia precisam dos três pontos, para manterem intactas as suas ambições, resumidas na qualificação à fase final do CAN.

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »