Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

guas calmas

26 de Fevereiro, 2018
O ténis de campo esteve de novo na boca do mundo e infelizmente por maus motivos, que assentaram na falta de entendimento, no seio da família da modalidade.
Uma situação que se arrastava de um tempo a esta parte, com implicações directas na gestão da modalidade, que por via disso, deixou de receber os apoios do órgão que rege o desporto no país.
A modalidade teve dias de franca expansão, com movimentações nos courts do Dundo e de Benguela, o que configurava um cenário prometedor e um futuro risonho.
Dos tempos de Augusto Pinto Ganino e Eliseu Maria, até mesmo de Ana Gonga, figuras que marcaram o seu tempo, muitos foram os campeões forjados no Clube de Ténis de Luanda, numa época em que Angola granjeava o respeito das instituições internacionais, concretamente, a Confederação Africana e a Federação Internacional, com as suas quotas em dia, e a beneficiar por esse facto, dos apoios destas duas estruturas.
A desorganização da Federação Angolana da modalidade que se arrastava faz tempo acabou por levar internamente à estagnação da disciplina desportiva, com os reflexos que se conhecem.
O país perdeu a confiança das instituições internacionais, as competições nacionais como os campeonatos nacionais foram protelados, sem verbas e a viver uma crise de direcção, o órgão que tutela a modalidade foi incapaz de dar sequência à realização regular das provas nacionais, que devem estar inseridas no calendário anual de competições.É tempo de união. A Federação como órgão que responde ao Ministério da Juventude e Desportos, sabe que a sua gestão deve estar de acordo com o que a Lei das Associações Desportivas consagra.
Com este novo ciclo, espera-se que haja boas perspectivas. Um bom entendimento e acordos futuros podem bem abrir o caminho para se chegar ao objectivo.
Águas calmas, turbulência afastada, precisa-se. Tomara que o entendimento venha para perdurar, porque o ténis precisa de voltar aos bons níveis do passado.

Últimas Opinies

  • 12 de Dezembro, 2019

    Manter a esperana apesar do mau comeo

    Realizadas as duas primeiras jornadas da Liga dos Campeões Africanos, em que estão envolvidas, em representação de Angola, o Clube Desportivo 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda, reservo-me ao direito de expressar o que penso sobre o desempenho das equipas angolanas, que considero ser deficitário não só em termos dos resultados, mas também da qualidade do futebol apresentado.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Se for convocado para a Selecção Nacional estarei disponível, porque é um sonho de todo jogador.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Desafios para 2020

    Hoje estamos a 19 dias do fim do presente ano gregoriano. É hora de se ir olhando para aquilo que foram as conquistas desportivas do ano que se apresta ao fim.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Cad a liga?

    O ano apressa-se para o seu fim, e nada se conhece sobre a liga. Depois de Pedro Neto, então presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), ter prometido durante todo o seu consulado constituir a prova nacional do futebol numa liga, o certo é que terminou o mandato sem honrar com a sua palavra.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

Ver todas »