Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Haja comedimento

18 de Janeiro, 2018
O futebol nacional volta a viver um clima de crispação, com o braço de ferro entre a Federação Angolana de Futebol e o clube 1º de Agosto, actual campeão em título, que não é nada abonatório tanto para o órgão federativo como para o clube militar.
O móbil do assunto assenta na suspensão de 70 dias, a que foram alvo seis jogadores do clube das Forças Armadas, por não se apresentarem aos trabalhos da Selecção Nacional que se preparava na altura para a participação no CHAN, que decorre em Marrocos.
É elementar, que a FAF se socorra dos regulamentos que lhe permita chegar até este ponto, que lesa e de que forma o campeão angolano prestes a entrar em cena em competições importantes em que tem fortes aspirações, Girabola e Afrotaças, apenas para citar estas.
É evidente que a Selecção Nacional ficou mais fraca, depois de privada dos jogadores do 1º de Agosto, que não devem ser considerados os únicos nas suas posições, e como tal, insubstituíveis.
A questão não deve cingir-se a isso. A Selecção, em princípio, conta com os melhores jogadores que o país tem para obter os melhores resultados desportivos, e só em casos extremos é que se admite a ausência destes, no conjunto.
Num outro ângulo, o 1º de Agosto também tem os seus interesses, que de modo algum se deviam sobrepor aos interesses da Selecção Nacional, que está a efectuar em Marrocos uma missão, em representação de todos os angolanos.
Com interesses repartidos, de um lado os Palancas Negras que não querem sair do CHAN cabisbaixos, e do outro, o 1º de Agosto que além da defesa do título tem à porta a primeira eliminatória para o acesso à Liga dos Campeões de África, é evidente que o diálogo devia prevalecer desde o início, para se evitarem situações extremas que só acabam por gerar incompreensões.
Até a altura em que efectuávamos o fecho da edição, o 1º de Agosto ainda não tinha reagido ao comunicado da FAF que anuncia a suspensão dos seus seis jogadores, uma posição que pensamos não deve ser tomada de ânimo leve, até mesmo para não acirrar ainda mais os ânimos, neste momento.
Nesta altura, e porque a bola está do lado da equipa militar, o importante é que haja comedimento nas acções e palavras.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »