Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Herosmo de Cabaa

22 de Setembro, 2018
Heróicos! É um adjectivo que pode servir, efectivamente, para qualificar a atitude dos jogadores do 1º de Agosto, que ontem, em pleno Estádio de Lubumbashi, souberam ultrapassar todas as adversidades frente ao Tout-Puissant Mazembe do Congo-Democrático, impondo um rigoroso empate a uma bola.
Depois do empate nulo no 11 de Novembro, em Luanda, no jogo da primeira “mão”, ontem, na casa da Toda Poderosa equipa da vizinha República Democrática do Congo, o tento apontado por Mongo serviu para as encomendas dos militares, nesta caminhada da Liga dos Clubes Campeões Africanos. Foi um empate com sabor a vitória.
Os congoleses-democratas falharam duas grandes penalidades, em que o guarda-redes Tony Cabaça, do 1º de Agosto, defendeu de forma heróica. Por isso mesmo, o “keeper”militar acabou por ser o herói da partida e, acima de tudo, um dos grandes obreiros desta qualificação inédita do conjunto, às meias finais da maior prova de clubes no continente.
Tony Cabaça defendeu tudo o que pôde, excepto o golo que permitiu ao TP Mazembe se adiantar no marcador aos 12 minutos, por intermédio de Muleka. Mongo restabeleceu a igualdade 22 minutos depois, ou seja aos 34. Nos derradeiros minutos da etapa inicial e nos momentos iniciais da segunda parte, imperou a sensação de que o campo estava todo inclinado para a baliza militar.
Apesar do grande pendor ofensivo da equipa congolesa, os comandados de Zora Maki souberam rechaçar todas as acções dos jogadores do TP Mazembe, que, nos derradeiros minutos, entraram em desespero total. Pior um pouco, pelas as intervenções de vulto de Tony Cabaça, que foi, sem evasivas, a grande figura do jogo.
E o d\'Agosto, diga-se de passagem, chega às meias-finais desta 22ª edição da principal prova de clubes da Confederação Africana de Futebol (CAF) com todo mérito.
Isto é inequívoco e se aliarmos a isso, sobretudo, o facto de que durante a sua caminhada na “Champions League”, o emblema das Forças Armadas Angolanas (FAA) conquistou sempre bons resultados extramuros.
Foi assim quer nos jogos da fase preliminar, quer na dos grupos, em que enfrentou o Étoile du Sahel da Tunísia, o Zesco United da Zâmbia e o Mbabane Swallows do eSwatini (ex-Swazilândia). As duas últimas equipas, ficaram arredadas da qualificação aos quartos de final, por se quedarem no 3º e 4º postos do Grupo D, respectivamente.
A equipa técnica do 1º de Agosto, liderada pelo sérvio Zoran Maki, merece também destaque pelo trabalho realizado, quer nesta edição da Liga dos Campeões Africanos, quer no Girabola-2018, onde acabou por ser coroado com o título de campeão.
Agora resta esperar pelas meias-finais desta maior prova de clubes da CAF e onde, obviamente, o 1º de Agosto vai ter pela frente outro dos “colossos” do continente, no caso o Esperance de Túnis. Porém, depois de passar incólume por este Todo-Poderoso Mazembe e, sobretudo, num ambiente infernal como é o que caracteriza Lubumbashi, temos de acreditar no “PRI”. Aliás, é legítimo sonhar alto, por tudo que o embaixador angolano fez até agora nas Afrotaças!

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »