Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Hino ao futebol

03 de Maio, 2016
O 1º de Agosto venceu no domingo o Desportivo da Huila em jogo a contar para a décima jornada do Girabola. Os militares já prometiam fazer valer a condição de líderes do campeonatos e de serem uma formação com um historial superior ao do adversário. Tratou-se na verdade de um jogo que teve tudo de agradável, com a turma huilana a mostrar que não era em vão que está classificada no topo da tabela de pontuação.

As equipas proporcionaram bom espectáculo de futebol, ocupam o quadro de honra na classificação. Por esta razão, prometiam uma renhida disputa entre si. E, na verdade assim foi, prevaleceu acima de tudo a Lei do mais forte que favoreceu à turma do Rio Seco. Mas independentemente da vitória de um e derrota de outro, o jogo valeu pela qualidade do espectáculo.

Ninguém ouse dizer que o jogo não correspondeu à expectativa. Aliás, este aspecto nunca podia ser posto em causa, as duas formações quando se defrontam têm sempre a particularidade de agradar, numa espécie de desafio entre dois conjuntos do mesmo ramos e com laços históricos comuns.

O 1º de Agosto apresentou-se na condição de anfitrião, num arranjo encontrado entre as direcções do dois emblemas, foi um forte adversário, conseguiu anular a pressão e a ousadia de uma equipa, que depois de ter perdido com o Benfica de Luanda tudo fazia para que a sua “tournée” por Luanda não terminasse em branco.

De resto, deu para ver um Desportivo da Huila crescido, que não se assusta perante um adversário. Por isso, quer os jogadores como a equipa técnica esbanjavam confiança à procura de argumentos suficientes para fazerem um bom espectáculo e mais do que isso, um resultado dentro das suas previsões e objectivos. Foi este factor que concorreu para a qualidade do espectáculo.

Mas sendo a conquista do título uma meta no plano do 1º de Agosto, este teve de recorrer à sua vasta maturidade para anular a investida dos rapazes de Ivo Traça. Ainda assim, e apesar de ter perdido, espera-se que o Desportivo da Huila venha a conjugar esforços redobrados para que a prestação nas próximas jornadas correspondam às ambições sustentadas e consiga manter-se na linha de frente e mais do que isso, conservar o estatuto de equipa sensação da prova.

De resto, no jogo a equipa huilana deixou escapar a sensação de que aqueles que cruzarem no seu caminho, hão de ter muitas dificuldades, sobretudo, a jogar na condição de anfitriã. A equipa tem futebol e precisa de apostar mais naquilo que é capaz para consumar os seus objectivos competitivos.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »