Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Homenagem merecida

05 de Outubro, 2017
Muitas são as figuras que deram o máximo de si, em prol da bola ao cesto, nomes como Wladimiro Romero e Victorino Cunha estão sempre associados ao desenvolvimento do basquetebol em Angola.
O primeiro, deu o seu nome à Supertaça, após o seu passamento físico, e o segundo, tem o seu nome ligado ao troféu organizado, anualmente, pelo clube 1º de Agosto, agremiação a que esteve adstrito durante muito tempo, torneio que abre a época desportiva.
A edição deste ano disputa-se entre os dias 12 e 14 deste mês, junta os colossos do basquetebol cá da praça, concretamente o clube organizador, o Recreativo do Libolo, Petro de Luanda e Interclube, por sinal as formações que chegaram à terceira fase do último campeonato nacional, disputado no sistema de play -off.
Com a dança das transferências na ordem do dia, relativamente ao torneio Victorino Cunha as equipas vão aproveitar, certamente, para dar a conhecer os reforços, e neste particular, o Libolo e o 1º de Agosto aparecem como as formações mais gastadoras.
A equipa do Cuanza - Sul reforçou o plantel a partir do Petro de Luanda, onde foi buscar além de Reggie Moore, Pedro Bastos,Teotónio Dó e Hermenegildo Bunga, jogadores que têm condições de ajudar a equipa a revalidar o título.
No 1º de Agosto, o reforço mais sonante foi a contratação de Eduardo Mingas, que trocou o Libolo pelo conjunto militar, e espera aos 37 anos erguer mais um troféu, a equipa do Rio -Seco foi buscar Leandro Conceição ao Galitos de Portugal, assim como Sebastião Quicuambi (ex - Atlético Sport Aviação) e Adilson Ramos (ex - Interclube).
No Petro de Luanda, o ambiente é até agora discreto, sem grandes movimentações que possam ser anunciadas.
O antigo treinador, Victorino Cunha, conduziu Angola nos três primeiros troféus continentais em seniores masculino. Hoje, já são 11, que colocam o país na liderança isolada do \"ranking\" africano. Em segundo lugar estão Senegal e Egipto, com cinco cada.
Actualmente fora das quadras, o técnico é consultor do ministro da Juventude e Desportos e instrutor da Fiba - África. Já orientou o 1º de Agosto e Petro de Luanda, e esteve na origem da carreira de vários internacionais angolanos, com particular destaque para Jean Jacques da Conceição, a maior referência do basquetebol angolano, único africano no Hall da Fama da FIBA.
Os amantes da bola ao cesto, podem, pois, preparar o seu apetite para as emoções que a bola ao cesto vai proporcionar, a começar com este torneio, ao que se segue o campeonato nacional e depois a fase de apuramento, que Luanda alberga em Dezembro.

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »