Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Homenagem merecida

05 de Outubro, 2017
Muitas são as figuras que deram o máximo de si, em prol da bola ao cesto, nomes como Wladimiro Romero e Victorino Cunha estão sempre associados ao desenvolvimento do basquetebol em Angola.
O primeiro, deu o seu nome à Supertaça, após o seu passamento físico, e o segundo, tem o seu nome ligado ao troféu organizado, anualmente, pelo clube 1º de Agosto, agremiação a que esteve adstrito durante muito tempo, torneio que abre a época desportiva.
A edição deste ano disputa-se entre os dias 12 e 14 deste mês, junta os colossos do basquetebol cá da praça, concretamente o clube organizador, o Recreativo do Libolo, Petro de Luanda e Interclube, por sinal as formações que chegaram à terceira fase do último campeonato nacional, disputado no sistema de play -off.
Com a dança das transferências na ordem do dia, relativamente ao torneio Victorino Cunha as equipas vão aproveitar, certamente, para dar a conhecer os reforços, e neste particular, o Libolo e o 1º de Agosto aparecem como as formações mais gastadoras.
A equipa do Cuanza - Sul reforçou o plantel a partir do Petro de Luanda, onde foi buscar além de Reggie Moore, Pedro Bastos,Teotónio Dó e Hermenegildo Bunga, jogadores que têm condições de ajudar a equipa a revalidar o título.
No 1º de Agosto, o reforço mais sonante foi a contratação de Eduardo Mingas, que trocou o Libolo pelo conjunto militar, e espera aos 37 anos erguer mais um troféu, a equipa do Rio -Seco foi buscar Leandro Conceição ao Galitos de Portugal, assim como Sebastião Quicuambi (ex - Atlético Sport Aviação) e Adilson Ramos (ex - Interclube).
No Petro de Luanda, o ambiente é até agora discreto, sem grandes movimentações que possam ser anunciadas.
O antigo treinador, Victorino Cunha, conduziu Angola nos três primeiros troféus continentais em seniores masculino. Hoje, já são 11, que colocam o país na liderança isolada do \"ranking\" africano. Em segundo lugar estão Senegal e Egipto, com cinco cada.
Actualmente fora das quadras, o técnico é consultor do ministro da Juventude e Desportos e instrutor da Fiba - África. Já orientou o 1º de Agosto e Petro de Luanda, e esteve na origem da carreira de vários internacionais angolanos, com particular destaque para Jean Jacques da Conceição, a maior referência do basquetebol angolano, único africano no Hall da Fama da FIBA.
Os amantes da bola ao cesto, podem, pois, preparar o seu apetite para as emoções que a bola ao cesto vai proporcionar, a começar com este torneio, ao que se segue o campeonato nacional e depois a fase de apuramento, que Luanda alberga em Dezembro.

Últimas Opinies

  • 21 de Janeiro, 2019

    Um Sindicato forte trava a FAF e os clubes

    Na passada quinta-feira, este jornal publicou uma notícia que, bem entendida, gravita em torno de uma questão já  antiga, porque, entre nós, ela não é nova. É um assunto que aflige muitos "fazedores" do nosso futebol, sobretudo os sofridos jogadores devido à ausência de um portentoso Sindicato que os defenda perante os clubes e a federação.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Citaes

    Estamos num grupo muito difícil (da AfroLiga, a nova designação da Liga dos Clubes Campeões).

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Regresso aos grupos

    Treze anos depois o Petro de Luanda volta a marcar presença na fase de grupos da Taça da Confederação, a segunda competição mais importante de clubes do órgão que superintende o futebol a nível continental.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Por aqui passou Angola

    Os mais novos desconhecem, mas os que têm certa idade recordam-se da mania do "por aqui passou", vivida no princípio da década de 90, se não estou em erro.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    O vazio das assembleias da FAF

    É quase uma tradição,  reunirmos e no final sairmos com as pastas cheios de nada. Essas são as minhas expectativas em relação à assembleia da Federação Angolana de Futebol (FAF).

    Ler mais »

Ver todas »