Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Hora de acertos

18 de Fevereiro, 2016
Estamos futebolisticamente na semana decisiva. Amanhã sexta-feira tem lugar o pontapé de saída de mais uma edição do campeonato nacional de futebol da primeira divisão, desta vez apelidada Girabola Zap. As equipas que estiveram a cumprir os estágios de pré-época, umas no estrangeiro outras cá, estão em prontidão.

Enquanto isso, os técnicos procedem aos últimos acertos, quase todos à procura de definir a equipa base com que esperam fazer face às obrigações da prova. De resto, todos comungam o mesmo objectivo: entrar com o pé direito na prova e consumar os objectivos traçados pelas direcções.

No fundo o cenário é rotineiro. É quase sempre assim no início de cada campeonato. Gera-se uma expectativa fora do comum, quer dentro dos clubes quer entre o público consumidor, a quem depois de cerca de três meses sem futebol doméstico toca um desejo de voltar aos campos, ou se não mesmo, de vivê-lo à sua maneira.

Desde já está visível a satisfação da parte dos treinadores. Quase todos dizem estar satisfeitos com o rendimento e nível atingido pelas respectivas equipas durante a fase de preparação. Como que se tivessem concertado pensamentos, o que diz Albano César é o mesmo que dizem, Roberto Bianchi,Dragan Jovic , Vesselin Vesco, por diante.

A ser verdade que os planteis atingiram o nível de entrosamento aceitável, então podemos estar certos que o campeonato há-de atingir níveis de qualidades aceitáveis, sendo que é a capacidade de reacção das equipas que resulta na qualidade do jogo, na qualidade do espectáculo e por tabela no equilíbrio competitivo.

Não estamos aqui para arriscar prognósticos, de quem é quem, com maior pinta de candidato ao título. Este exercício faremos lá mais para frente quando as coisas começarem a aquecer. Por enquanto, o que interessa é que as equipas se tenham preparado o suficiente, se tenham reforçado o suficiente, de modo que nos possam alegrar com o seu toque de bola.

Amanhã abrem-se as cortinas do cenário e logo depois ver-se-á como se vão portar as equipas. É certo que nunca o farão ao mesmo nível, sendo que nem elas são do mesmo nível. Umas vão apresentar-se sempre mais apuradas que outras, o que é de todo normal numa competição desportiva.

Aliás, ainda à propósito de estágios em pré-época, convirá recordar que equipas houve que não se deslocaram sequer das localidades, trabalharam no mesmo recinto em que o fazem ao longo da época, devido a incapacidade financeira que não propiciou um estágio em outro lugar, fora ou dentro do país.

Logo, não se podem exigir às equipas as mesmas responsabilidades. Porém, seja como for, há indicadores seguros de que vamos ter um campeonato interessante do ponto de vista competitivo, mais a mais porque o número de equipas que se assumem candidatas ao título, subiu consideravelmente.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »