Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Incio das Afrotaas

10 de Agosto, 2019
Depois da eliminação precoce na edição passada da Liga dos Campeões Africanos, o 1º de Agosto tem como meta fazer uma excelente campanha, na “nova aventura” na maior prova de futebol continental, a nível de clubes.É bem verdade que, no histórico de jogos da primeira “mão” de uma fase preliminar da “Champions League”, o emblema do “Rio Seco” não tem sido muito bem sucedido, quando se desloca ao terreno dos adversários. Mas hoje, frente ao Kikosi Maalum Cha Kuzuia Magendo FC da Tanzânia, vai procurar alterar esse rumo. Por isso, os militares querem começar a sua marcha de forma triunfante, apesar de actuar em casa alheia.
Como é óbvio, em jogos de eliminatórias, sabe sempre bem não perder no reduto do adversário, para daí se fazer a melhor gestão possível, quando se actuar na condição de anfitrião. E, de certeza, é com essa ambição que os actuais campeões nacionais jogam hoje, a partir das 13h30’, na região tanzaniana de Unguja, circunscrita ao arquipélago local de Zanzibar. Convenhamos, todavia, que não será uma tarefa nada fácil.
Até porque o desconhecimento que tem do adversário, um “out-sider” nas provas sob a égide da Confederação Africana de Futebol (CAF), obriga a que o campeão nacional jogue com algumas cautelas, para não experimentar mais um dissabor na “Champions”.
A eliminação precoce na edição anterior, diante AS Otôho do Congo-Brazzaville, faz parte do passado. Os agostinos conseguiram, com efeito, uma vitória por 4-2 em Luanda sobre a turma congolesa, o que abria boas perspectivas para o duelo da segunda “mão” no reduto desta, mas acabaram por ver a sua continuidade na prova a estorvar-se por culpa de uma derrota por 0-2, que selou a qualificação do AS Otôho para a fase seguinte.
Portanto, é ponto assente que, nesta edição, a turma comandada pelo sérvio Dragan Jovic parte com a lição “bem estudada”, de formas a não claudicar ou abandeirar em arco com mais uma eliminação precoce. Por isso, a ambição de vencer afigura-se como crucial, neste início de marcha na “Champions League”.
De resto, é legítimo esperar que o D’Agosto tente, desse modo, repetir a proeza de há dois anos, quando chegou às meias-finais, defrontando um Espérance Túnis, que usou de todas as artimanhas possíveis “extra-jogos”, para tirar a equipa do “Rio Seco” do caminho. Hoje, frente ao Kikosi Maalum, espera-se que a actuação dos militares se converta em contos de outro rosário. Seria, para já, conveniente que a equipa entrasse com o pé direito na deslocação a Unguja, algo que pressupõe a conquista da vitória, ou, no mínimo, de um empate.
Por outro lado, espera-se também ousadia do Petro de Luanda que, nas vestes de vice-campeão angolano, enfrenta amanhã em Maseru, Lesotho, o Matlema Football Club, para a primeira “mão” da penúltima eliminatória de acesso a Liga dos Campeões.
Tal como o D’Agosto, ao Petro recomenda-se igualmente uma postura ousada, frente à formação do Lesotho e sobretudo a conquista de um resultado positivo, para no jogo de resposta, em Luanda, confirmar a qualificação para próxima eliminatória.
Daí, vamos esperar que, quer o D’Agosto, como o Petro, comecem de forma vitoriosa, a campanha na presente edição da Liga dos Clubes Campeões. Derrota é o que não se recomenda a estes dois embaixadores angolanos nas Afrotaças, que, diga-se de passagem, têm larga experiência nessas andanças do futebol continental…


Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »