Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Inovações no futebol

13 de Agosto, 2017
Desde a existência da raça humana que é sabido que a vida é um exercício dinâmico, por via disso, alheio ao comodismo. O homem está, à partida, condenado a conceber, desenvolver e inovar. Não é sem razão que constatamos hoje que quase todas as descobertas dos últimos dois séculos têm vindo a ser revolucionadas.

Dos comboios à lenha evolui-se para outros a motor e rápidos, dos aparelhos analógicos deu-se o pulo para os digitais, da velha máquina de Gutemberg para o computador de Bill Gates. Tudo se inova à medida do avanço temporal. No desporto sucede o mesmo. Evoluem as regras de jogo, eleva-se o número de participantes em competições e, às vezes, mudam-se as estações das provas.

Claro está, que algumas criações muitas vezes não colhem consenso, noutras podem não vingar. Tomemos como exemplo o propalado \"golo de ouro\", ou se preferirem morte súbita, que consistia no fim do jogo nos tempos adicionais, sempre que uma das equipas concretizasse o golo da vitória. Vigorou muito pouco tempo, porque não colheu consenso no mundo do futebol.

Com a saída de Issan Hayatou e entrada de Hamed Salan Hamed na Confederação Africana de futebol, movimentam-se pedras para a introdução de inovações que venham marcar a presença de uma nova liderança depois dos 30 anos de Tessema e 29 outros do cidadão camaronês. O Campeonato Africano das Nações, que, curiosamente, completa em 2017, 60 anos de vigência, passa a ter outro figurino.

À partida, o torneio vai evoluir de 16 para 24 equipas. Se calhar, não há aqui qualquer exagero. Está-se apenas perante uma acção de obediência a um processo de evolução natural. Pois, tendo a prova se disputado com apenas três equipas na sua primeira edição, em 1957, no Sudão, passando depois para oito, 12 e seguidamente para 16 é pacifico que vá para 24 equipas.

Aliás, foi o mesmo percurso cumprido pelo próprio campeonato mundial, que começou com apenas 13 países, que se inscreveram de forma directa à prova sedeada pelo Uruguai, em 1930. Mas não satisfeitos com este passo, Hamed Salan Hamed e seus pares, avançam igualmente a possibilidade de mudar a prova africana dos meses de Janeiro e Fevereiro, período em que tem lugar, para os meses de Junho e Julho.

Isto vai implicar necessariamente a revisão do calendário do nosso campeonato, adaptá-lo, como sempre foi defendido, à realidade de outros países africanos. A continuar a ser disputado no período em que é feito, estaria sujeito a interrupção no mês de Maio para a concentração e preparação da Selecção Nacional (em caso de estar apurada), e nos meses de Junho e Julho para competição. O período do CAN deve coincidir com o defeso. Mas a FAF tem a última palavra...

Últimas Opiniões

  • 11 de Dezembro, 2017

    Citações

    Foram muitas as razões que nos levaram a definir essa escolha, tal como o profissionalismo, a orientação técnica, conhecimento e experiência do futebol, compromisso com a formação, vontade de vencer, ser estudioso permanente do futebol e passar os seus conhecimentos aos treinadores nacionais.

    Ler mais »

  • 11 de Dezembro, 2017

    Crença e acalmia

    A família do futebol nacional deve por esta altura estar mais calma, depois da divulgação do novo seleccionador nacional pela Federação Angolana da modalidade, volvidos que foram os dias de incerteza, agora, com a missão de dirigir os Palancas Negras no seu primeiro compromisso do ano, o da fase final do CHAN que o Reino de Marrocos acolhe.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    São Silvestre é marca

    “Infelizmente, nos últimos tempos, mergulhados numa crise financeira sem precedentes, o desporto angolano vem pagando uma factura bastante pesada e, obviamente o atletismo não fica de parte.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    Cartas dos Leitores

    O futuro a Deus pertence, e se calhar vou terminar a minha carreira aqui no Maquis, e ser campeão nesta equipa.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    Vamos trabalhar

    O técnico deixou a entender que apesar de os objectivos para CHAN serem claros porém a sua ambição como técnico não se esgota nesta competição

    Ler mais »

Ver todas »