Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Intensificar a preparao

10 de Agosto, 2017
A Selecção Nacional prossegue esta tarde a preparação para o jogo em Antananarivo, onde no domingo defronta a similar de Madagáscar, partida pontuável para a primeira-mão da última eliminatória de apuramento ao CHAN, cuja fase final acontece no Quénia, no próximo ano.

Depois de cinco dias de trabalho em Luanda, os Palancas Negras dão continuidade à preparação, em solo malgaxe, para limar arestas que persistam para se apresentarem na máxima força diante dos Escorpiões, que esperam tirar vantagem por jogarem os primeiros 90 minutos nos seus domínios.

Embora o adversário pareça estar ao alcance, Beto Bianchi chama a atenção para as cautelas a observar, com o intuito de evitarem surpresas desagradáveis. Aliás, jogar em terreno alheio é sempre uma empreitada complexa, não obstante algumas vezes parecer bem mais fácil, do que jogar em casa.

O aspecto técnico e táctico assim como a estratégia a adoptar no jogo com os Escorpiões, foi aprimorado na capital pelo que em Antananarivo as sessões vão limitar-se a consolidar todo um processo, que já vem das preparações anteriores, ou seja, aquando da presença na Taça Cosafa.

Beto Bianchi incluiu na preparação, sessões de vídeo do adversário, o que permite aos jogadores um conhecimento mais real e actual dos malgaxes. Aliás, depois da surpresa que aconteceu com Moçambique, todas as cautelas são poucas se Angola não quiser a mesma sorte, ou seja, ser afastada da fase final do CHAN do Quénia.

Sem quaisquer informações preocupantes, do ponto de vista clínico, a Selecção Nacional partiu ontem convicta de fazer um bom resultado, no domingo. A ideia é jogar até à exaustão, para um desfecho que mantenha vivo o sonho da qualificação. Uma vitória ou empate com mais de um golo seria bom, e perspectivar a segunda-mão mais objectiva que se tirasse vantagem de jogar em casa e diante do público, factores que às vezes ajudam a determinar o desfecho da partida.

Os Palancas Negras querem voltar a fazer história, marcar a terceira presença na fase final de CHAN, competição reservada aos jogadores que actuam nos campeonatos internos de cada país. Angola já lá esteve em duas ocasiões, nomeadamente, em 2011 no Sudão, e em 2016 no Ruanda, voltar a estar entre a fina flor é seguramente, o grande objectivo da Federação Angolana de Futebol.

Na primeira presença, a Selecção Nacional foi orientada pelo técnico Lito Vidigal, que colocou o país na final da prova, na altura defrontou a Tunísia, com quem perdeu. Cinco anos mais tarde, em 2016, os Palancas Negras sob o punho de José Kilamba regressaram ao “africano” disputado no Ruanda, mas com sorte diferente, pois, quedaram-se logo na primeira fase.

Últimas Opinies

  • Hoje

    O exemplo que nos faz falta (I)

    Nunca algo desportivamente tão precioso agora havia passado tão volatilmente pela opinião pública e deixado, a mim, um rastro de interrogações óbvias, mas que normalmente seria merecedor de alguma manifestação sóbria pós-vitoriosa. 

    Ler mais »

  • 08 de Dezembro, 2018

    Passada do campeo e a situao da Cala

    Numa altura em que faz ainda eco no Continente, a retirada, pelo órgão reitor do futebol, a organização do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019 aos Camarões, por cá o nosso Girabola segue o seu curso normal, ainda que num ritmo pouco intenso.

    Ler mais »

  • 08 de Dezembro, 2018

    O Girabola Zap e as suas quezlias

    O Girabola Zap 2018/2019 aí está. Já soma algumas poucas jornadas e, as coisas fluem normalmente, ainda que com algumas quezílias à mistura, próprias de uma competição desta dimensão.

    Ler mais »

  • 08 de Dezembro, 2018

    Cartas Leitores

    A formação de quadros desportivos é uma prioridade no plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) para área dos desportos, em que  se prevê alcançar seis por cento da população inserida no desporto generalizado até 2022.

    Ler mais »

  • 08 de Dezembro, 2018

    Agitao no Progresso

    As águas estão agitadas, lá,  para os lados do Sambila. O Progresso Associação do Sambizanga, um dos maiores emblemas da capital, pode estar a viver o pior momento da sua existência. Afectado pela crise financeira que a todos aflige, nos dias presentes, há largos meses que está em dívida com relação aos activos, sobretudo, com o pessoal administrativo.

    Ler mais »

Ver todas »