Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

J no terreno

08 de Janeiro, 2018
Os Palancas Negras respiram desde ontem os ares de Marrocos, cenário da VI edição do Campeonato Africano das Nações que é reservado a jogadores que evoluem em campeonatos locais. Antes de rumar para Agadir, sede do Grupo D, a equipa observa uma pausa em Casablanca, onde marcou para terça-feira um amistoso com a congénere da Guiné Conacry.
O objectivo da equipa, às ordens de Srdjan Vasiljevic, consiste em reunir capital competitivo suficiente, ou seja, à altura de fazer face ao poderio dos adversários a defrontar, nomeadamente, Burkina Faso, Camarões e Congo na fase de grupos, e outros lá mais para frente, caso consiga a qualificação para os quartos -de -final. Daí, a importância de mais jogos de controlo, como de resto defendeu há dias, o técnico -adjunto Silvestre Pelé.
Em Luanda, a equipa teve cerca de três semanas de intenso trabalho, embora, marcado por contratempos relacionados com a renúncia de algumas unidades, com as quais o seleccionador nacional contava para esta empreitada. Entretanto, tudo ficou para trás e já não deve constar das contas que fazemos hoje, em obediência ao princípio de que os ausentes não fazem falta.
Oxalá, a equipa tenha conseguido, no campo de preparação, obter os níveis pretendidos para a empreitada. É certo, que o seleccionador foi indicado com um certo atraso, certamente que não superou os seus adversários de grupo, em termos de tempo de trabalho. Mas isto agora é irrelevante, pois, muitas vezes para o entrosamento de uma equipa não é tanto o tempo de trabalho que conta, mas os métodos a aplicar.
Por tudo isso, o país deve dar crédito à selecção ao invés de desatar em especulações do jeito \"não vai passar da primeira fase\". É certo, que a participação anterior desiludiu a muitos, mas como soe dizer-se, não há cenários iguais. Aliás, daquela selecção pouco ou nada se podia esperar, face às convulsões que antecederam a sua entrada em competição.
Desta vez, pode ser que as coisas resultem melhor, embora, saibamos de antemão que o sorteio não foi simpático para a nossa selecção. É claro que cruzar com os Camarões e o Burkina Faso não é lisonjeiro, são duas selecções que têm dado mostras de franca evolução a nível do futebol continental, a despeito do que exibem nas diferentes competições.
É evidente que a tratar-se do Chan, prova reservado a jogadores de disputas domésticas, dá-nos a primazia de equacionar algum desconto ao valor das selecções que aparecem nas qualificativas aos CAN e Mundiais, pois, não integram as unidades que evoluem nos diferentes campeonatos do mundo, que são os que emprestam mais vigor, raça e competitividade. Portanto, nada de receios. Vamos à competição com espírito de luta e de conquista.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »