Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Jogadoras esto prontas

25 de Setembro, 2014
É legítimo sonhar com uma boa prestação da Selecção Nacional de basquetebol feminino no Mundial que a Turquia alberga a partir de sábado.

Angola não tem uma selecção para chegar e pretender o título e mesmo até o pódio como meta imediata, nesta sua primeira participação num campeonato do mundo, mas os dois títulos consecutivos africanos na sua bagagem é um bom indicador quanto ao que se espera das nossas senhoras.

É certo que damos cartas na competição continental, principalmente num escalão em que na maioria dos países não tem tido o acompanhamento devido, daí a relativa estagnação que se verifica em relação às outras partes do mundo, concretamente na América e na Europa onde o escalão feminino está em evolução.

Contudo, e se atendermos que até há bem pouco tempo o basquetebol feminino em Angola tinha pouca expressão e dificuldades de se impor quer na região quer no contexto africano, temos de convir que os dois campeonatos que o país conquistou no Mali e em Moçambique, dois países que até então davam cartas e que organizaram os respectivos "africanos" com o objectivo de ganhar, chega-se à fácil conclusão de que houve trabalho na conquista destes dois títulos.

Angola tem jogadoras em fim de carreira, como a capitã Nassissola Maurício, mas que após terem participado nos Jogos Olímpicos de Londres, podem fazer deste Mundial o ponto mais alto da sua carreira.

A Selecção Nacional chega à Turquia sem qualquer pressão. E numa prova em que estão presentes as grandes potencias mundiais, como a selecção dos Estados Unidos, actual campeã em título e por sinal integrada no grupo das angolanas, tentar equilibrar os jogos diante das potenciais candidatas ao título deve ser o objectivo imediato, para depois tentar vitórias contra selecções "do nosso campeonato".

Realisticamente, pode dizer-se que Angola participa no Mundial da Turquia com os olhos postos no próximo Campeonato Africano, onde aí sim, tem a responsabilidade de defender o título e de tentar um lugar para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016.
Angola chega à competição após um estágio em Espanha, e o jogo de estreia no sábado diante da Sérvia pode servir de avaliação em relação ao trabalho desenvolvido no período pré-competição.

Na Turquia o país faz a sua estreia em campeonatos do Mundo e todos esperamos que esse baptismo seja brilhante, que as angolanas deixem a competição de cabeça erguida, passando ou não da primeira fase, sem o complexo de estreante que muitas vezes marca a estreia de equipas e jogadores nos grandes palcos mundiais.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »