Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Jogar pela dignidade

25 de Janeiro, 2016
Angola sai esta tarde do CHAN do Rwanda, pela porta pequena, depois da sua eliminação precoce da fase de grupos em que somou duas derrotas nos dois jogos iniciais, quando as projecções apontavam no sentido de chegar o mais longe possível, o que pressupunha naturalmente, que passasse desta fase.Mais uma vez, os Palancas Negras deixam muito a desejar nas competições internacionais, depois de serem afastados da corrida ao Mundial da Rússia de 2018, quando foram incapazes de suplantar a África do Sul no confronto directo que as duas selecções tiveram para o ordenamento da fase de grupos, de que saíram os representantes do continente.

A eliminação naquela altura, não serviu de lição e a Selecção Nacional volta novamente a estar exposta às críticas dos adeptos e amantes do futebol, que esperavam mais do conjunto nacional na sua segunda participação no CHAN, depois de na estreia terem cometido a proeza de chegar à final, só travado no derradeiro jogo frente ao conjunto tunisino.

Duas derrotas consecutivas, uma das quais com sabor a goleada, e um saldo de golos negativos, indicam que muita coisa não funcionou e que é preciso muito trabalho psicológico junto dos jogadores, até porque em Março a equipa nacional volta a disputar jogos internacionais, desta feita, para apuramento à fase final da Taça de África das Nações, no Gabão, com dois terríveis jogos com a República Democrática do Congo, cujos resultados podem definir a posição dos Palancas Negras, neste momento na liderança do seu grupo.

Esta tarde, na despedida do CHAN diante da Etiópia, a Selecção Nacional joga pela sua dignidade, beliscada por resultados maus nesta participação, até agora só com notas negativas. O amor à camisola, deve falar mais alto, o grupo deve manter-se unido até ao fim, mesmo com as situações menos boas vividas e que em certa medida também se reflectiu, negativamente, na prestação do conjunto.

Obter uma vitória na competição, inverter as posições no grupo, trocar de posição com o conjunto etíope na cauda da tabela de classificação, pode não servir muito a quem tinha pretensões mais altas, mas pode ajudar a manter a auto -estima do conjunto.Sem pressão que decida a sua vida e sem ter de jogar com a calculadora nas nãos, os Palancas Negras podem ir determinados para o último jogo, na edição deste ano do CHAN, e que a sua desqualificação nesta fase, não seja encarada como grande calamidade.Como em tudo na vida, também no desporto há momentos bons e maus momentos, essa foi a fase negativa para a Selecção Nacional, certamente, que melhores dias hão de vir, para vivermos as alegrias.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »