Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Jogo de campees

09 de Abril, 2016
Embora ainda estejamos longe da metade do percurso, entretanto, o maior campeonato de futebol do país tem motivos para prender as atenções dos prosélitos da modalidade, com embates de desfechos imprevisíveis e recheados de muita competitividade.

O futebol faz jus ao facto de ser o desporto que mais adeptos movimenta e muitos são os que semanalmente não se coíbem de apoiar os clubes nas mais variadas formas, com o afluxo aos campos serem as mais notadas.

O calendário do Girabola ZAP contempla jogos de alto risco, em que intervêm equipas que lutam pelo título, ou carregam uma grande tradição e isso só torna a prova mais apetecível, mais a mais quando o futebol é bem jogado como já se tem visto em alguns jogos.

Os jogos de alto risco contemplam também embates entre campeões, e é isso que temos na jornada deste fim-de-semana quando o Estádio 11 de Novembro acolher o jogo da jornada, com duas das melhores equipas da actualidade em confronto.

O 1º de Agosto, comandante do campeonato, e o Recreativo do Libolo, campeão em título a galgar degraus para chegar ao topo, são equipas com argumentos para fazer de um jogo de futebol um grande espectáculo da bola. Os militares querem esquecer as últimas épocas e querem quebrar o jejum de títulos que há muito faz morada nas suas hostes, enquanto os libolenses apostam somente na competição doméstica, terminado o "sonho africano" de chegar à fase de grupos da Liga dos Campeões.

Os adeptos sofrem e sorriem com as equipas e jogos como este andam na boca do povo muitos antes da bola começar a rolar, com cada um a fazer o prognóstico. Depois, quando a bola deixa de rolar procuram-se razões para eventuais derrotas, argumentos que sustentem vitórias apetecidas ou motivos de empates mal digeridos.

Amanhã, no Estádio 11 de Novembro o encontro de campeões entre o 1º de Agosto e o Recreativo do Libolo exige seguramente medidas extras no que concerne à própria segurança, mas nada que vá por aí além.

O campeonato não está numa etapa crucial do percurso em que às vezes partidas como estas decidem o título, pelo que o jogo não define nada, embora os jogadores dos dois lados tenham os olhos virados para a hegemonia e consequente vitória.

O papel do público tem sido exemplar até ao momento e acreditamos que neste jogo grande também jogue o seu papel no apoio às respectivas equipas, mas sempre dentro dos padrões do fair-play.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »