Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Jogo decisivo

14 de Setembro, 2017
A Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina, decide esta noite em Tunis, a continuidade no Campeonato Africano das Nações \"Afrobasket2017\", quando defrontar o Senegal para os quartos - de -final. Com um início de prova menos bom, em Dakar, onde obteve o segundo lugar do grupo B, com duas vitórias e uma derrota, os comandados de Manuel Silva “Gi” estão proibidos de perder, porque têm como objectivo o resgate do título continental, perdido em 2015 para a Nigéria.

Disto, sabe a equipa técnica, e sabem os atletas. Aliás, na terça-feira aquando do lançamento do jogo, Manuel Silva \"Gi\" disse possuir dados para contrapor o adversário, e afirmou na ocasião que a equipa angolana está em melhores condições de enfrentar a fase de eliminatória, que vai decorrer na capital tunisina.

Na verdade, à despeito do que nos deram a ver na fase de grupos, as duas selecções podemos afirmar sem qualquer dúvida, que o jogo vai ser realmente de roer as unhas. A equipa vai ter de aplicar-se a fundo, para lograr um resultado que permita acalentar a esperança de chegar à final, e aí tentar o que não foi capaz na edição anterior.

Paradoxalmente, enquanto que Angola andou meio à deriva na fase preliminar, com uma percentagem de conversão baixa, como bem reflectem os resultados produzidos, o Senegal esteve em grande nível, não é nenhuma imprudência afirmar-se que em termos qualidade de jogo, situa-se um pouco acima do combinado angolano.

É claro, que aqui somos levados a fazer um pequeno desconto, ao facto de estarem a jogar no seu ambiente, bem apoiados pelo seu público. No jogo de logo mais, as equipas defrontam-se em igualdade de circunstâncias. Nenhuma vai apresentar-se no seu reduto, esta particularidade pode eventualmente jogar a favor de algum equilíbrio na quadra.

O que deve ser realçado aqui, a selecção não deve jogar da mesma forma que o fez na fase anterior, na etapa que hoje tem início, não há segunda oportunidade. Ou seja, uma derrota traduz a desqualificação irremediável da prova. É por aí, que o sonho do resgate do título, será preciso não facilitar e tampouco claudicar.

Faltam três jogos para se chegar ao objectivo. A vitória no jogo de logo, conduz para as meias-finais, e daí para a final. Oxalá, os três dias de pausa sejam suficientemente aproveitados ,para o desenvolvimento de uma trabalho sério e aturado, que permita à equipa técnica limar as arestas, para que possa apresentar-se melhor nesta fase decisiva.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »