Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Jogo decisivo

13 de Maio, 2019
O campeonato nacional de basquetebol Unitel-basket pode conhecer hoje o campeão nacional. Logo mais teremos o quarto jogo da final do playoff a melhor de sete jogos entre Petro de Luanda e 1º de Agosto. Os petrolíferos levam vantagem sobre o adversário, estando a vencer nesta altura por 3-0, um resultado que, na verdade, tem colhido todos de surpresa em função daquilo que os militares nos deram a ver na fase regular e noutras provas como a Taça de Angola e o apuramento para a Afroliga.
Os petrolíferos dominaram os jogos no Vitorino Cunha e foram vencedores no primeiro na Cidadela Desportiva. Portanto, têm meio caminho andado para a consagração, sendo que apenas um deslize fatal poderá poderá inviabilizar a concretização do seu principal objectivo.
Mas para o 1º de Agosto, que na condição ao título tem a obrigação de revalidá-lo nada ainda está perdido. O \"volt-face\" ainda é possível, e vai conjugar esforços redobrados no sentido de dar a voltar por cima. Aliás, no último jogo Paulo Macedo já mostrou um equipa mais ousada e determinada.
Em defesa da suspense e do interesse do campeonato seria bom que o ele tivesse mais estrada quanto, mais não seja uma forma demonstrativa do prestígio das duas equipas finalistas. Mas tudo isso será determinado pela prestação e pela reacção dos prolíferos.
Ainda assim, é quase um dado adquirido que não vai o 1º de Agosto se deixar perder por 4-0. Dai que é de esperar pelo jogo de hoje uma disputa acirrada, de modo a fazer com que o campeonato vá mais para lá. Ou seja, não termine ainda, o que até seria inédito na sua História recente.
Lembremo-nos que na edição passada o 1º de Agosto vencia por 3-0 tendo o Petro reduzido para 3-1, para depois perder no quinto jogo. Portanto, chegou-se ainda ao quinto dos sete jogos, o que pode não ocorrer desta vez caso o 1º de Agosto continue a se revelar inofensivo, sem chama, sem garra e sem determinação.
Pensamos que não é isto também que a massa associativa do 1º de Agosto espera. Como detentor do título ainda que não tenha arcaboiço para ir mais além, mais que não venda a derrota a baixo preço. Daí que precisa fazer tudo mais alguma coisa no jogo de logo mais para adiar a consagração do Petro de Luanda.
É enorme a expectativa em torno do jogo. Pois, se petrolíferos esperam que seja hoje a abertura do champanhe, militares pensam de forma contrária. Esperam que a sua equipa consiga reduzir a desvantagem no resultado e depois sair à luta pela recuperação do terreno perdido, a ver se ainda consegue chegar à revalidação. Mas será que ainda chega lá? Eis a questão que fica no ar.

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »