Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Jogos de qualidade

02 de Maio, 2016
A fase de qualificação do BIC Basket já começou e tal como se previa muito disputada, prevê-se surpresas até ao término, a julgar pelos resultados registados nas duas primeiras jornadas.Tratando-se da fase que vai definir as equipas que vão lutar pelo título de campeão nacional, ficou logo patente de que não vai ser tarefa fácil para aquelas que almejem tal desiderato. O equilíbrio nos jogos de alta qualidade foi tão evidente, que até parece um tanto ou quanto arriscado dizer, que os potenciais candidatos estão todos confirmados para a próxima fase.

Quer o Interclube, quer o ASA, parece que não querem ser vistos como "outsiders" do grupo de equipas que podem lutar para o título. Muito pelo contrário, colocam-se entre elas. A réplica dada aos adversários na dupla jornada, sobretudo pelos polícias, deixa escapar esta perspectiva.Apesar daquilo que se assistiu no fim de semana, à partida, o título vai continuar a ser a disputa fechada às três principais equipas do basquetebol nacional, nomeadamente, Petro de Luanda, Recreativo do Libolo e 1º de Agosto. Parece-nos que qualquer uma destas estão em melhores condições de chegar à etapa derradeira da compita para lutar pelo cobiçado troféu, em posse dos petrolíferos.

Na jornada inaugural, Petro de Luanda e 1º de Agosto venceram enquanto o Recreativo do Libolo folgou por força do calendário. Na segunda ronda, dois dos candidatos tiveram de medir forças e houve quem já tenha tirado vantagem, mercê da vitória na partida. No confronto entre rivais, levou à melhor o Petro de Luanda que deixou sérias reticências aos adeptos militares quanto à possibilidade da equipa ser capaz de resgatar o título que foge há dois anos.

No final houve alguma agitação dos adeptos do 1º de Agosto, um sinal claro para o técnico espanhol Ricard Casas, contratado para devolver a mística do clube, no basquetebol nacional. Como já aqui dissemos, especialistas da modalidade no país, colocam a equipa de Calulo como a favorita para a conquista desta 38ª edição do nacional sénior masculino da bola ao cesto. Sustentam o vaticínio com base no plantel que o Recreativo do Libolo ostenta, a experiência dos seus jogadores, a capacidade do seu técnico e a organização administrativa.

Mas quem sai na frente ao cabo das duas primeiras jornadas já disputadas é o Petro de Luanda, embora os de Calulo tenham um jogo a menos. Os petrolíferos da capital depois da surpresa do ano passado, pretendem fazer jus ao estatuto de campeões e reafirmarem que o título conquistado em 2015 não foi obra de um mero acaso.

A vitória no sábado sobre o rival, por convincentes 94-87, pode ser visto como um aviso à navegação e sobretudo para aqueles que não acreditam muito no seu potencial, em virtude de ter uma equipa muito jovem. Aliás, depois de perder a Taça de Angola, o campeonato é a única aposta nesta época.Está evidente que esta fase de qualificação promete muito, pelo início escaldante que teve e oxalá que continuemos a ter jogos de alta qualidade, até ao fim.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »