Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Justa homenagem

23 de Setembro, 2017
Depois de tê-lo feito, em outras ocasiões, a Federação Angolana de Andebol (Fand) voltou ontem a manifestar a sua satisfação, por mais alguns resultados positivos alcançados pelas selecções nacionais no continente. Desta feita, a homenagem coube a duas selecções jovens, nomeadamente, a de juniores e a de cadetes, feminino.
Não obstante as dificuldades financeiras, o Ministério da Juventude e Desportos e a Federação, fizeram um esforço para colocar as duas selecções nas respectivas provas, que decorreram em Abidjan, a equipa sob batuta de Edgar Cunha arrebatou o troféu no “africano” de juniores, e a de cadetes, sob orientação técnica de Luís Chaves, chegou ao pódio, em terceiro lugar.
Com as conquistas alcançadas, as duas selecções garantiram presenças nos respectivos mundiais, com palcos na Hungria e na Polónia, em 2018. As mensagens de felicitações pelos feitos, não se fizeram esperar, a realçar a bravura das meninas, que aos poucos começam a ganhar o gosto pelas conquistas, seguindo as peugadas das seniores em que pontificam, certamente, jogadoras que são uma inspiração para estas jovens.
A homenagem visou destacar os feitos, foi também uma oportunidade para agradecer as atletas, com pequenas, mas significativas lembranças, e encorajá-las a manterem-se na mesma senda. Foi uma iniciativa que merece aplausos, pois, traduz o reconhecimento público a grupo de jovens, que através do desporto souberam elevar bem alto o nome país, e encheram de orgulho todos angolanos, de Cabinda ao Cunene e do Mar ao Leste, independentemente do credo político, religioso, ou outro, que cada um é livre de aderir. Como disse certa vez, o Presidente da República, numa das suas mensagens de felicitações dirigida a uma das selecções nacionais, as conquistas que orgulham o país representam \"o esforço constante de superação e valorização dos atletas e técnicos\", apelou de seguida à continuidade do trabalho, em prol de mais vitórias que elevem bem alto o nome de Angola.
Se por um lado, o estadista angolano reconhecia o esforço constante de superação dos atletas, por outro, instava a não adormecerem no feito alcançado, para que o país continue a mostrar o seu grande potencial em todas as modalidades, em que conseguiu impor-se por mérito.
A homenagem, pelo resultado alcançado, recentemente, pelas duas selecções jovens de andebol, em feminino, deve servir de incentivo à outras selecções, para que o país continue a somar vitórias no campo desportivo, sector que actua como uma verdadeira frente diplomática, para dar a conhecer ao mundo as potencialidades do nosso belo país, depois do fim da guerra e do alcance da paz definitiva.
Foi, portanto, uma justa homenagem, o gesto da Federação para com os atletas e equipas técnicas, que representaram condignamente o país, nos dois palcos africanos.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »