Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Kabuscorp ameaado

04 de Maio, 2019
A Federação Angolana de Futebol recebeu na semana que hoje termina, uma missiva do órgão reitor do futebol mundial (FIFA), a determinar que o clube do Palanca faça chegar à esta instância, por via do organismo angolano (FAF), todos os comprovativos de pagamento da dívida ao brasileiro Rivaldo, até à próxima segunda-feira. Ou seja, dentro das próximas 48 horas.
De acordo com a nota, o Kabuscorp do Palanca deve a Rivaldo 500 mil dólares, que devem ser liquidados nas próximas horas, sob pena da equipa classificada na quarta posição do Girabola, ser despromovida para o escalão inferior, no caso à segunda divisão, situação confirmada pelo presidente do Conselho de Disciplina da FAF, José Carlos.
Talvez, Bento Kangamba e pares tenham sido apanhados em contra-mão ou não, a verdade é que a situação não pode ser minimizada. Deve ser encarada com mais seriedade, já que tende a pôr em causa a reputação do futebol angolano e sobretudo, do órgão que superintende. Até prova em contrário, estamos perante um acto de “calote”, que não dignifica pessoas de bem.
E, mais: a nota refere ainda, que caso o clube não entregue os documentos à FAF, para esta os encaminhar à FIFA, dentro do prazo estipulado, a direcção de Artur de Almeida e Silva não deve vacilar na aplicação de sanção, sob pena da FAF arcar com as consequências. Ora, isto significa, que o órgão máximo do futebol nacional também está encostado à parede.
Ouvimos Bento Kangamba, presidente do clube, dizer à uma estação de rádio local, ter a situação sob controlo, inclusive, adiantou que efectuou o pagamento de quase 90 por cento da dívida de 500 mil dólares. Oxalá, não esteja a falar só por falar, como quem pretende desviar a atenção. Porque, as consequências para o clube, como para a FAF, serão incalculáveis.
No caso da punição recair sobre o clube, a despromoção da primeira divisão, a classificação do Girabola passa a ter outra arrumação, uma vez que todas as equipas com quem defrontou, passam a ter três pontos adicionais, o que pode levar o Petro de Luanda à liderança do Girabola e mais próximo do título. No caso do visado ser a FAF, fica o país afastado de todas as competições internacionais, sem que haja CAN\'2019, nem Mundial de Sub-17. Resumindo, o caso não é para menos...

Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »