Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

L se foi o sonho...

18 de Março, 2019
O Petro de Luanda, até ontem o único sobrevivente angolano nas Afrotaças, não conseguiu evitar a derrota frente ao Gor Mahia FC do Quénia, em Nairobi, num jogo em que estava “condenado” a não desperdiçar, na totalidade, os pontos em discussão. É verdade, pois até um empate serviria (e muito bem) para encomendas do emblema tricolor, já que no outro duelo do Grupo D da Taça da Confederação, que opôs duas equipas do Magreb, o \'placard\' ficou em branco.À priori, a vitória era o resultado que mais convinha ao embaixador angolano nesta segunda maior competição de clubes do calendário da Confederação Africana de Futebol (CAF), já que materializando esse desiderato lograria o passe para os quartos de final, uma meta traçada pela direcção tricolor, sem precisar de favores de quem quer que fosse.
Numa outra perspectiva o eventual empate também serviria, já que nas contas para qualificação o Petro só precisava obter o mesmo resultado que o Nasr Hussein.Dito de outra maneira se a equipa angolana chegasse ao empate ontem, frente ao Gor Mahia, teria se qualificada para os “quartos”, já que com a partilha de pontos registada no jogo da Argélia, entre o Nasr Athletic Hussein Dey e o Zamalek do Egipto, favorecia-lhe nas contas.
Isto porque a formação egípcia assumiria a liderança do grupo com nove pontos e o Petro com os mesmos oito que os argelinos, mas ainda assim teria vantagem nos confrontos directos com este, fruto dos 2-0 aplicados ao adversário no jogo de Luanda e a derrota de 1-2 em Alexandria.
Numa situação ainda de os dois jogos desta derradeira jornada do Grupo D terminarem empatados, independentemente de o Nasr Hussein Dey vir-se impossibilitado de seguir para os quartos de final, dada a desvantagem no confronto directo com o Petro, o Gor Mahia, que ficaria com sete, vir-se-ia também estorvado nesse intento.
Contudo, com a vitória sobre o Petro, a equipa queniana que se viu bafejada pela sorte fruto de penálti apontado pelo rwandês Jack Tuysenge, a castigar carga dentro da área de um dos seus colegas pelo jogador tricolor Tó-Carneiro.
O Gor Mahia somou, assim, nove pontos, à semelhança do Zamalek, e acabando, assim, os dois conjuntos por inscrever o seu nome nos “quartos”. Já o Nasr Athletic Hussein Dey e o Petro, que se quedaram no terceiro e quarto postos, com oito e sete pontos, respectivamente, viram os seus intentos fracassados.
Com eliminação nesta segunda maior prova de clubes do calendário da CAF, o Petro deve virar, agora, as baterias para competição, particularmente para o Girabola Zap, a prova maior do nosso “association”, onde soma 37 pontos na segunda posição, contra 44 do arqui-rival na primeira, mas que no entanto tem dois jogos a mais.

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »