Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Luta de gigantes

29 de Abril, 2016
Quando logo mais, a partir das 18h00, as formações do 1º de Agosto e do ASA descerem para a quadra do pavilhão Vitorino Cunha estará a começar uma das fases mais decisivas do 38º campeonato nacional de basquetebol sénior masculino. Trata-se, pois, da fase que qualifica as equipas concorrentes para a "Final Four". Espera-se desde já por uma disputa sem quartel para os lugares de acesso.

À despeito daquilo que nos foi dado a ver na fase regular é quase um dado adquirido que equipas fora do quinteto de honra, nomeadamente 1º de Agosto, Petro de Luanda, Libolo, ASA e Interclube prometem mostrar a sua ousadia. Ou seja, não voltarão a facilitar os grandes como o fizeram, à guisa de exemplo, na edição anterior.

Se assim poderem agir concorrem apenas para a qualidade da prova, uma vez que afinal é o equilíbrio na disputa dos jogos que torna um torneio alegre e agradável. Amiúde, o excesso de facilidades que equipas consagradas encontram pelo caminho acaba por beliscar a competitividade que, em regra, se espera animada e salutar.

É certo que as equipas que no final acabarão por rumar à disputa do título serão sempre as mesmas, salvo alguma surpresa. Mas isto é próprio.
verifica-se em quase todas as competições, mesmo em campeonatos do mundo, em que os principais candidatos têm sempre os mesmos nomes. Mas a prova sai a ganhar pela oposição feita a estes por outros concorrentes.

Por exemplo, o Interclube e o ASA são, no quinteto avançados, duas formações a respeitar e a ter em conta. Porém, qualquer analista atento da nossa bola ao cesto saberá que ficam alguns abaixo dos outros três, 1º de Agosto, Petro de Luanda e Recreativo do Libolo. Aliás, deste trio têm saído os últimos campeões nacionais.

E de certeza absoluta que as coisas não vão fugir à regra na presente edição. De resto, estas três equipas, quer na fase regular do campeonato, quer na Taça de Angola deram-nos a ver que prometem muito na presente temporada, sendo quase um exercício de risco traçar qualquer vaticínio quanto ao provável candidato ao título.

Claro está que o Petro de Luanda na condição de campeão em título tem a obrigação de lutar pela sua revalidação. Mas, o Libolo, destronado na edição anterior, pretende voltar ao pódio, mais a mais agora que se sente motivado com a conquista da Taça de Angola. O 1º de Agosto é outro pretendente inconformado com o longo tempo em que aquece o banco da estação.

Em resumo, estão lançados os dados para que tenhamos um BIC Basket com todos os ingredientes, capaz de mobilizar grandes enchentes aos pavilhões, quando se chegar na fase reservada a homens de barba rija. Espera-se apenas que em termos de organização as coisas funcionem para que se possa juntar o útil ao agradável e o torneio saia a ganhar em termos de qualidade competitiva e de qualidade organizativa. Vamos aos cestos.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »