Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Mais do que vocao

14 de Outubro, 2017
É consensual, que o desporto é hoje uma ciência, quer o treino, quer as estratégias que se utilizam em campo. Exige mais, do que uma simples vocação, de ser treinador. Nem um rico passado, enquanto atleta, garante resultados positivos como treinador.

É essa consciência, que os clubes nacionais e o basquetebol, em particular, devem inculcar nos ex-praticantes que queiram iniciar-se na ciência de treinos para se transformarem em treinadores.

Há conteúdos de treinos, assim como respostas dos atletas, que só são compreensíveis se o treinador tiver escolaridade para o fazer.

No debate, que se faz hoje na media, chegou-se à essa conclusão. Figuras como Tony Sofrimento, um dos mais entendidos na matéria, pois, foi não só atleta como treinador e já leva décadas no dirigismo, é dos poucos angolanos a integrar os órgãos africanos de decisão da modalidade.

É importante pensar-se, não apenas no Instituto de Educação Física, como uma escola de basquetebol, exclusivamente. Já lá vão os tempos, em que os treinadores eram obrigados a compreender tudo, e mais alguma coisa. As equipas técnicas hoje são alargadas, precisamente, para incluir os mais diversos técnicos. Há especialistas em ler jogos, em traçar estratégias, e outros, cuja função pode ser motivar os atletas.

A Federação Angolana de Basquetebol, assim como os clubes, deviam ir ao encontro do Ministério da Educação para abertura de uma escola específica de treinadores de basquetebol. Há um senhor, com passagem no futebol nacional (Dusan Kondic), que pode ajudar muito para a concretização dessa realidade. É ou foi durante muitos anos, director de escolas de treinadores no seu país, e dado que o nosso basquetebol é a fusão das escolas americanas e da Europa do Leste, nada melhor do que aproveitá-lo.

Em relação aos Estados Unidos da América, o presidente da Federação Angolana de Basquetebol tem contactos, assim como o treinador do Petro de Luanda, que pode ser útil. A formação, não precisa de ser de quatro ou cinco anos, como se faz habitualmente. Dois semestres podem ser suficientes. O importante é a qualidade do conteúdo a ministrar, assim como os formadores.O nosso basquetebol tem de dar esse salto, se quiser manter-se no topo do continente, e participar nas grandes cimeiras mundiais. Victorino Cunha, Wladimiro Romero, Mário Palma e outros construtores da filosofia do basquetebol nacional sempre estiveram à altura do conhecimento.

Foi graças à capacidade de compreenderem e interpretarem os fenómenos, que tivemos até hoje, resultados de que se orgulha o nosso basquetebol.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »