Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Mais uma final

19 de Setembro, 2015
A Selecção Nacional sénior feminina de andebol disputa hoje, mais um final na sua trajectória de grandes campeãs em África, desta vez nos Jogos Africanos de Brazzaville, que decorrem na capital congolesa desde o passado dia 2 de Setembro, quando defrontar os Camarões no torneio feminino.

Chegar a esta fase da competição não constitui surpresa. Angola é tão -simplesmente a melhor selecção do continente, e os seus créditos são reconhecidos pelo continente adentro, com uma hegemonia que dura há anos, tanto ao nível de selecções como em relação aos nossos clubes, Petro de Luanda e 1º de Agosto, que têm desfilado todo o perfume do seu andebol nas principais provas em que participam e trazem na bagagem os diversos títulos.

Os dois emblemas nacionais repartem, de um tempo a esta parte entre si, a hegemonia nas provas femininas na mais alta categoria, depois das militares terem exigido a sua parte, em relação aos títulos, pondo fim ao domínio absoluto da rival luandense.

A final de Brazzaville, é para as angolanas, a confirmação de um processo perfeitamente previsível. Habituadas a jogar ao mais alto nível, tanto em África como em Campeonatos do Mundo e Jogos Olímpicos, a Selecção Nacional é por esta altura, a mais rodada no continente, está na capital do Congo na condição de campeã africana, por isso mesmo, a equipa que todos queriam abater para quebrar um ciclo que parece não ter fim.

É evidente que chegar a final não significa o fim da jornada. A conquista da medalha de ouro é o principal objectivo da equipa, e é para isso que lá estão as nossas “Pérolas”, e só aí é que a jornada termina, com o sentimento do dever cumprido.

A vitória folgada nas meias-finais diante da Nigéria, não exigiu muito das nossas convocadas, que deste modo, podem empregar-se mais no jogo com as camaronesas, sem receio de desgaste físico, que pudesse eventualmente dificultar a caminhada para a conquista de mais uma medalha de ouro para o país.
A equipa dos Camarões chega à final, também a sonhar com o ouro, mas Angola está habituada a ganhar finais com maior ou menor dificuldade, independentemente dos adversários que tem pela frente.

Tem sido assim nos Campeonatos Africanos, nos Jogos Africanos as nossas senhoras têm sabido também vincar todo o seu domínio, com a conquista das medalhas mais valiosas em jogo.

As campeãs africanas sabem, que as finais ganham-se com humildade, sem nunca subestimar o valor do adversário, mas cientes sempre que têm uma reputação a defender, que na hora da decisão vão ter de todos nós, o incentivo para a conquista brilhante que se espera.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »