Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Manter o sonho...

04 de Março, 2019
Não obstante a derrota ontem, em casa, o Petro de Luanda mantém intacta a esperança de chegar aos quartos de final da Taça Confederação, a segunda maior prova de clubes de futebol em África, depois da Liga dos Campeões. Os comandados do hispano-brasileiro Beto Bianchi perderam diante do Zamalek do Egipto, equipa com a qual haviam empatado há uma semana, no reduto deste.
Na verdade, depois do amargo de boca que teve na deslocação à Alexandria, reduto da turma do Magreb, esperava-se que os petrolíferos aproveitassem bem o \'factor-casa\' para desforrar-se do empate a uma bola, no duelo em que o golo do Zamalek ocorreu já no período de compensações. E mau grado para quem assim cogitou.
Com a derrota de ontem, frente ao Zamalek, o Petro viu-se relegado para última posição do Grupo D desta 16ª edição da Taça da Confederação, com os mesmos quatro pontos, ficando assim obrigado a vencer os dois derradeiros jogos.
Primeiro, frente o Nasr Hussein Dey da Argélia dia 10, na ronda cinco em casa, e depois, diante do Gor Mahia, no Estádio Internacional dos Desportos Arap Moi, em Nairobi, a 17 deste mês de Março, no fecho das contas desta fase de grupos.
Para já é uma missão um tanto quanto espinhosa para o embaixador angolana nas Afrotaças, mas não impossível. Ocupando nesta altura a última posição do grupo, os tricolores ficam com a sua sorte dependente de terceiros e vai, daí, a necessidade premente de ultrapassar os dois adversários das duas últimas jornadas.
Vale lembrar, nesse particular, que no pontapé de saída desta fase de grupos, o Petro baqueou aos pés da formação do Nasr Hussein Dey da Argélia, com quem perdeu por 2-1, ao passo que na segunda ronda obteve, para o efeito, uma vitória suada sobre o Gor Mahia FC do Quénia pelo mesmo \'score\'. Na ronda três, última do primeiro turno desta prova, voltou obter um bom resultado, empatando 1-1 na casa do Zamalek.
E quando se esperava que a campanha e sonho da presença nos quartos ficasse relançada com os quatro pontos obtidos no primeiro turno, o emblema tricolor do “Eixo-Viário” vê-se, agora, na contingência de ter que carregar no acelerador para atingir o seu objectivo de se qualificar a outra fase. Ainda assim, deverá ter em conta que quer o Nasr Athletic Hussein Dey, quer o Gor Mahia FC, não se afiguram como pêras-doces. Pelo contrário, tanto os argelinos como os quenianos têm olhos postos também na qualificação para o quartos de final de competição.
Por isso, o embaixador angolano nesta competição que dá acesso ao troféu Nelson Mandela e que em termos hierárquicos segue-se à Liga dos Clubes Campeões Africanos, terá uma tarefa ingente nestas duas derradeiras jornadas.
Contudo, o foco desta terceira \'aventura\' do Petro de Luanda na Taça da Confederação está, precisamente, na passagem aos quartos definal, algo que pode efectivar-se com atitude ousada nestes dois últimos jogos. Isto é o que os angolanos esperam...

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »