Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Mão pesada da FAF

19 de Maio, 2017
A violência nos campos de futebol em Angola bastas vezes é associada a atitudes menos acertadas dos adeptos que, impelidos por frustrações derivadas dos maus resultados dos seus emblemas de coração, partem em direcção a adeptos contrários ou insurgem-se contra os homens do apito, factos que não nos cansamos de condenar.

São atitudes que em nada dignificam o futebol e os espectáculos, e que acabam por criar um clima de insegurança para os pacatos cidadãos que ao deslocarem-se aos recintos desportivos, esperam ver, apenas, bons espectáculos de bola e as suas equipas a triunfar.

Contudo, há também violência que parte de dirigentes desportivos (que por via disso não deveriam ter essa designação), que tomam posições extremas, como aconteceu, recentemente, em Saurimo, quando o quarteto de árbitros e o comissário ao jogo entre o Progresso da Lunda Sul e o 1º de Agosto para o Girabola Zap foram alvo de agressão da parte de dirigentes identificados do clube local, mas que acabaram por ter a devida resposta da parte da Federação Angolana de Futebol.

É que depois de apuradas todas as situações no final do jogo, o órgão respectivo do organismo federativo constatou que os tumultos nos balneários foram protagonizados por dois dirigente locais, que acabaram suspensos por dois anos e seis meses, além de uma multa pecuniária que certamente vai mexer com os bolsos dos dois infractores.

Situações que acabam por manchar o bom nome da instituição, porquanto os dois dirigentes deveriam ser o primeiros a dar exemplo aos jogadores e adeptos do clube, com posições que longe de ser extremas, deveriam levar à reconciliação.A instituição Progresso da Lunda Sul merece o respeito de todos, pelo que posições como essas, da parte de alguns pessoas ligadas à sua direcção ou de um grupo de adeptos não significa que seja caucionada como um todo por todos aqueles que se identificam, de facto, com os objectivos da agremiação.

A equipa está numa fase menos boa no presente campeonato, longe das exibições brilhantes do passado, mas isso deveria servir precisamente para unir dirigentes, treinadores, jogadores e adeptos, e não ver nos homens do apito os”bodes expiatórios” para os seus males.

O representante da Lunda Sul no Girabola já deu muitas alegrias às populações locais, e mesmo com resultados menos conseguidos até agora na presente edição, ainda vai a tempo de poder recuperar, dado que a prova observa neste fim-de-semana o fim da sua primeira volta, e com todas as equipas a prepararem-se para o segundo turno, este sim, que vai decidir a destino de cada uma das 16 equipas.

Últimas Opiniões

  • 17 de Agosto, 2017

    Noventa minutos de alto risco

    O Madagáscar é daquelas equipas que não se explicam totalmente pela táctica nem pela técnica.

    Ler mais »

  • 17 de Agosto, 2017

    Citações

    Falámos pouco dele durante a semana passada, mas foi um jogador muito importante.

    Ler mais »

  • 17 de Agosto, 2017

    Limar as arestas

    As angolanas efectuaram um estágio précompetitivo no Brasil durante cerca de duas semanas, disputaram um total de seis
    jogos de controlo, com realce para dois que realizaram com a selecção principal local, que permitiram ao seleccionador nacional tirar as
    devidas ilações de como está o grupo para grande empreitada.

    Ler mais »

  • 16 de Agosto, 2017

    Cartas dos Leitores

    À medida que a equipa cresce, crescem também as capacidades de ultrapassar as divergências

    Ler mais »

  • 16 de Agosto, 2017

    Palancas sem pausa

    Olha-se pelo giro dos ponteiros do relógio e vem a necessidade de procurar tirar maior partido do tempo no desenvolvimento de um trabalho sério e aturado que ajude a equipa a superar debilidades no campo e acertar nos detalhes essenciais

    Ler mais »

Ver todas »