Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Mos obra

27 de Dezembro, 2013
Não estando desarticulada, já que acaba de participar no campeonato do mundo recentemente disputado na Sérvia, é improvável que o grupo tenha dificuldades de monta para atingir o nível desejado, aceitável e ajustado às exigências da prova e das ambições competitivas.

Angola não espera fazer diferente daquilo que tem estado a fazer ao longo das últimas edições. Ou seja, jogar sempre para a conquista do título africano, numa clara demonstração da vitalidade que vai pelo andebol do nosso país. Portanto, o objectivo é trabalhar forte e determinado para um único objectivo, que é a revalidação do título.

Aliás, faz tempo que o andebol feminino angolano anda na mó de cima, sendo que o objectivo não é senão manter este nível, este extenso rosário de glórias, embora saibamos que na competição vão estar outras selecções poderosas, cujos países têm investido fortemente na modalidade. Mas, quando há vontade e determinação não há como não lutar para superar os obstáculos.

Estamos certos que é objectivo da Federação Angolana de Andebol, da equipa técnica, das atletas e de todos os angolanos, voltar a ver as nossas pérolas a dar cartas e, mais uma vez, subirem de forma garbosa e honrosa ao pódio, erguendo o troféu aos céus. Para tanto, não pode haver poupança de esforços no trabalho. Há que arregaçar as mangas da camisa.

A equipa técnica começa a definir, assim, a estratégia que vai permitir aos angolanos conservar o orgulho de serem os papões do andebol continental na classe feminina, o que passa, necessariamente, pela conquista do título na edição que a Argélia, certamente, prepara com esmero.

À partida, a equipa técnica já tem esboçado o programa de preparação. A crer nas declarações do seleccionador nacional, em entrevista a este jornal, a selecção, além dos microciclos que vai cumprir nos próximos dias no país, tem ainda agendado um estágio pré-competitivo na Sérvia, onde permanece até 13 de Janeiro, devendo realizar quatro jogos de controlo com outras selecções, sendo uma delas a Argélia, anfitriã do “Africano”.

Trata-se de contactos úteis que vão ajudar na correcção de alguns aspectos importantes no processo de articulação do conjunto e daí ensaiar-se a mais eficaz estratégia para aquilo que é necessário fazer em campo.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »