Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Misso dos Palanquinhas

07 de Março, 2019
A selecção nacional de futebol em Sub-17 volta a jogar hoje no Torneio Internacional de Desenvolvimento, na Turquia, diante do Senegal depois de na estreia, na passada terça-feira, ter perdido com o Montenegro. Com ambições modestas, os Palanquinhas tomam parte deste torneio com objectivo mais voltado para a rodagem do grupo, tendo em vista outros compromissos em agenda.
Seja como for, na mesma é importante primar por um desempenho exemplar, que tenha reflexos numa classificação que não belisque a imagem e o prestígio do futebol angolano. À partida, participam no torneio selecções de países com forte tradição no futebol mundial, prevendo-se, à despeito disso, que a disputa não venha ser fácil.
Ainda assim, haverá toda a necessidade de fazer o possível e o impossível, a ver se consegue alcançar algum equilíbrio nos resultados. Pois, uma coisa é empatar ou perder por margem mínima, outra é se converter numa presa fácil, para os demais concorrentes. Esta última condição é que não esperamos, tampouco esperam o próprio Paulo Gonçalves e sua rapaziada.
Mas o contacto a ser estabelecido, com equipas mais rodadas, porque nos seus países há disputa regular de campeonatos nos escalões inferiores, será de extrema importância para a busca de rodagem e maturidade que se pretende, para fazer face às obrigações do Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Abril próximo na Tanzânia.
De resto, com as dificuldades financeiras enfrentadas pelas federações nos tempos que correm, situação que obriga a participar em competições muitas vezes sem possibilidade de estágios pré-competitivos, diríamos que o Torneio Internacional de Desenvolvimento da Turquia veio apenas a calhar, com vantagem do calendário também facilitar, já que o intervalo de uma a outra prova será mínimo.
No CAN, Angola tem como meta passar a primeira fase e tentar alcançar uma classificação mais honrosa, que deverá se situar entre os quartos-de-final ou as meias-finais, sem que estejam proibidos a sonhar mais para lá. E é bom que o pensamento seja este, positivo. Pois, só quem pensa vitorioso é capaz de superar obstáculos e ir competitivamente mais além.
Será importante lembrar, que o CAN da Tanzânia qualifica para o próximo campeonato do mundo. Ou seja, os primeiros quatro classificados, o mesmo equivale em dizer os semi-finalistas, vão representar o continente africano no Mundial da categoria, a disputar-se em Setembro próximo, no Perú. No CAN, Angola está inserido no Grupo A, ao lado das congéneres do Uganda, Nigéria e da própria Tanzânia.

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »