Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Mundial de pesca

27 de Março, 2015
A grandeza de um país não se mede, apenas, nos títulos conquistados. Os eventos que realiza também têm um peso importante no prestígio que alcança na arena internacional. Angola tem um rico historial, em função dos eventos internacionais nas mais distintas modalidades que vem realizando de um tempo à esta parte.
Depois do Torneio Pré-Olímpico, em andebol, que o país albergou de 19 a 21 do corrente e que apurou o representante africano aos Jogos Olímpicos do Brasil, Angola está novamente no centro das atenções.

Desta vez, cabe à pesca desportiva mostrar a hospitalidade do nosso povo, com a realização do Campeonato do Mundo a disputar-se de 28 do corrente a 4 de Abril, na cidade do Lobito, província de Benguela.

O empenho da comissão organizativa, na criação de condições para que o Campeonato do Mundo de pesca desportiva ao corrico de alto mar decorra sem sobressaltos, é um facto, como disse recentemente o capitão do conjunto nacional, Rogério Matos. A organização tem estado a aprontar todos os aspectos para realização de uma prova exemplar.

Angola é detentora do título conquistado em 2014, no Rio de Janeiro, no Brasil, pelo que o objectivo principal passa pela revalidação do troféu. A avaliar pelas condições de treino colocadas à disposição do combinado nacional, estamos em crer que a consumação deste objectivo pode ser perfeitamente atingido.
O Campeonato Mundial vai ser disputado por nove nações, que perfazem 14 equipas. A organização conta com a África do Sul (1), Alemanha (1), Angola (2), Brasil (2), Croácia (1), Espanha (1), Itália (2), México (2) e Senegal (2).

Desse leque de participantes, os sul-africanos seguem a rota de navegação dos angolanos nas águas do mar de Benguela, prometem travar “grande despique”, relativamente à procura de espaço com mais peixes de bico, pelo facto do seu tripulante, Carlos Moran, dominar na totalidade a região pesqueira do Lobito.
Os sul-africanos, a exemplo de outras selecções participantes, têm fortes ambições no campeonato que amanhã inicia no Lobito. Contudo, o nosso objectivo é vencer a prova, de modos a mantermos o título conquistado o ano passado no Brasil.

Temos conhecimento da difícil empreitada do conjunto angolano, em função dos objectivos traçados pelas selecções presentes no evento. O evento vai decorrer em solo nacional, motivo que reforça o nosso favoritismo.

O País comemora no próximo 11 de Novembro 40 anos, desde que se tornou independente. Uma data que marca uma viragem decisiva no processo de desenvolvimento do País. Esta edição do Campeonato do Mundo de pesca desportiva ao corrico de alto mar é mais uma vitória desta conquista.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »