Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Na rota do Afrobasket

28 de Julho, 2017
Com o futebol como modalidade de eleição no país e, por arrasto, por este mundo fora, com maior número de praticamente e, hoje por hoje, uma indústria lucrativa, com biliões de dólares a serem movimentados anualmente pelos quatro cantos do mundo, o basquetebol no país também tem o seu espaço reservado.

Os títulos africanos conquistados pela modalidade ao longo do tempo, a participação regular da Selecção Nacional em Campeonatos do Mundo bem como em Jogos Olímpicos, deram à bola ao cesto um estatuto especial, daí a forma entusiástica como os adeptos acompanham o desempenho das nossas equipas nacionais.

Dentro de poucos dias Angola volta a ter participações internacionais, primeiro com o da Selecção sénior feminina no Campeonato Africano do Mali e, poucos dias depois, com a presença do “sete” nacional masculino no Afrobasket que tem como palco na fase inicial o Senegal e a Tunísia, países escolhidos pelo órgão reitor da modalidade no continente, dado a indisponibilidade do Congo acolher a competição.

Para Angola, as duas competições não constituem novidade, uma vez que as nossas atletas já subiram ao lugar mais alto do pódio em duas ocasiões em que arrebataram os respectivos títulos continentais, enquanto em masculinos o país é apenas o mais titulado em África.

Contas feitas, vê-se bem que nas duas classes Angola tem responsabilidades acrescidas, dado que aparece como forte candidato à medalha de ouro, o que desde já não se afigura como uma empreitada fácil.

As senhoras estão quase de malas feitas para um estágio no Brasil antes de se engajarem na luta pelo ceptro africano em Bamako, enquanto os masculinos prepararam o Afrobasket com a participação nesta primeira fase num torneio internacional, na China, prova que decorre a partir de amanhã e que se estende até ao dia 5 de Agosto, e que conta ainda com a presença da Lituânia e da Nova Zelândia, além do país anfitrião.

No país asiático, o cinco nacional vai realizar dez a 11 jogos de controlo, seis no torneio internacional e mais quatro ou cinco jogos com equipas locais da primeira liga chinesa, segundo fez saber Manuel Silva “Gi”, momentos antes de seguir viagem para a República Popular da China.

De resto, o estágio das duas selecções reflectem bem o engajamento das instituições nacionais de direito de garantir a melhor preparação possível dos dois conjuntos, mesmo em tempo de crise em que os recursos financeiros são limitados.

Angola tem objectivos bem definidos para o Mali, bem como para a prova que decorrem em simultâneo no Senegal e na Tunísia, e certamente que os jogos de preparação nos estágios vão dar outra rodagem competitiva as selecções que esperam desfilar ao mais alto nível.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »