Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Nada est perdido

05 de Junho, 2017
As derrotas sabem sempre mal, mais ainda quando há objectivos a cumprir numa determinada competição, como é o caso do Recreativo do Libolo, único representante angolano nas Afrotaças, em que compete na Taça da Confederação, e procura o apuramento às meias-finais da prova.

Dividido entre a competição caseira, o Girabola Zap, e a prova continental, os libolenses têm uma grande carga de jogos nos pés, e isso reflecte-se, negativamente nos seus resultados nas duas competições em que estão envolvidos.No Girabola, a equipa de Calulo ocupa o quarto posto, mas perdeu pontos que lhe poderiam catapultar para outros patamares, caso triunfasse em todos os jogos em atraso que teve, em função da sua participação nas Afrotaças. Na Taça da Confederação, o representante angolano começou com o pé direito, mercê de um triunfo caseiro sobre o Al Hilal do Sudão, mas os dois jogos subsequentes não correram a feijão para a equipas que averbou derrotas, primeiro em Alexandria e ontem na Zâmbia.

Ainda assim, nada está perdido para o Libolo. Na segunda volta do seu grupo, o conjunto tem dois jogos em casa e apenas uma deslocação ao estrangeiro, As suas ambições continuam intactas e o grupo apenas depende de si para prosseguir a caminhada na competição.É certo que as duas derrotas tornaram mais difícil o seu apuramento, mas a sua situação não é de modo algum desesperada, porque tem hipótese de chegar ao fim da fase de grupos com o apuramento assegurado.

O importante será agora saber gerir o tempo que tem. Disputar as duas provas, Girabola e Taça CAF não será fácil para a equipa de Vaz Pinto, dado que tem objectivos a cumprir nas duas competições.Para o futebol angolano, será muito benéfico que o Libolo consiga chegar às meias-finais, dado que com isso aumentam as possibilidades de o país ver aumentado a sua presenças nas Afrotaças.

Em momento algum o espírito ganhador da equipa deve ser abandonado, pois, foi com o mesmo que a equipa conseguiu a primeira e únicavitória até agora na competição africana.Os próximos dois jogos serão disputados em Calulo, e o conjunto libolense deve aproveitar essa situação para inverter o quadro actual, regressando às vitórias rumo às desejadas meias-finais da Taça da Confederação. Nada está perdido.

Últimas Opinies

  • 21 de Janeiro, 2019

    Um Sindicato forte trava a FAF e os clubes

    Na passada quinta-feira, este jornal publicou uma notícia que, bem entendida, gravita em torno de uma questão já  antiga, porque, entre nós, ela não é nova. É um assunto que aflige muitos "fazedores" do nosso futebol, sobretudo os sofridos jogadores devido à ausência de um portentoso Sindicato que os defenda perante os clubes e a federação.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Citaes

    Estamos num grupo muito difícil (da AfroLiga, a nova designação da Liga dos Clubes Campeões).

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Regresso aos grupos

    Treze anos depois o Petro de Luanda volta a marcar presença na fase de grupos da Taça da Confederação, a segunda competição mais importante de clubes do órgão que superintende o futebol a nível continental.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Por aqui passou Angola

    Os mais novos desconhecem, mas os que têm certa idade recordam-se da mania do "por aqui passou", vivida no princípio da década de 90, se não estou em erro.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    O vazio das assembleias da FAF

    É quase uma tradição,  reunirmos e no final sairmos com as pastas cheios de nada. Essas são as minhas expectativas em relação à assembleia da Federação Angolana de Futebol (FAF).

    Ler mais »

Ver todas »