Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Nada est perdido

11 de Janeiro, 2010
A estreia dos Palancas Negras, ontem, no 11 de Novembro, não foi de encontro às expectativas, principalmente porque tiveram tudo para alcançar um resultado histórico. Estar a vencer por 4-0 e consentir o empate no espaço de 10 minutos, é algo inacreditável, inadmissível mesmo. A falta de eficácia paga-se muito caro em alta competição. No espaço de 10 minutos, o Mali foi quatro vezes à baliza de Angola…e fez quatro golos.
Os últimos dez minutos foram fatais para o combinado nacional. Os jogadores perderam a concentração; demonstram uma displicência total, que foi bem aproveitada pelos malianos, que, no final da partida, não acreditavam no que tinha acontecido. O excesso de confiança demonstrado pelos jogadores angolanos, quando o marcador lhes era favorável (4-0), acabou por se tornar fatal para as suas ambições. Digamos que faltou liderança nos momentos em que o Mali se agigantou e aproveitou as benesses do adversário.
Embora seja matematicamente possível chegar à próxima fase, este não é um momento nada fácil. A luta terá de ser tremenda e, do ponto de vista psicológico, os jogadores têm de buscar níveis fortes de moralização, mostrando-se disponíveis para dar o máximo. Não podem desistir! Tem de se lutar, embora o objectivo esteja agora mais nublado.
Bom, vamos lá tentar ser um pouco racionais: Angola empatou e tal não devia ter acontecido. Ainda por cima, o empate aconteceu quando vencia por 4-0 e diante de um adversário directo na luta pela presença na fase seguinte da competição. Mas, objectivamente, este mau (e evitável) resultado já nos afastou das metas traçadas? É claro que não!
Somos contra as vitórias morais, mas não me parece lógico que, depois dos Palancas Negras terem feito uma exibição bastante interessante durante cerca de 80 minutos, se reduza tudo a zero. Concordamos que é necessário maior clarividência para gerir vantagens confortáveis; que o guarda-redes Carlos não pode sair em falso perante formações recheadas de “gigantes”, que a defesa e o meio campo deviam ser mais rápidos nas marcações nos últimos instantes e que os atacantes, perante situações de golo feito, não podem desperdiçar tanto. Mas, sinceramente, grave teria sido perder pontos sem jogar rigorosamente nada, sem criar situações de golo, sem praticar um futebol com um mínimo de qualidade e sem estar a vencer de forma tão categórica e convincente.
O jogo de ontem deixou de facto bons problemas para o curto prazo da Selecção Nacional. Como vai Manuel José montar as próximas e decisivas estratégias? Volta ao 5x3x2 ou alterar para o conservador 4x4x2? E, se sim, com que figuras? As de ontem ou com a aposta em mexidas para encaixar outras unidades?
Os erros cometidos ontem diante do Mali devem servir de lição. O jogo contra o Malawi é já na próxima quinta-feira, dia 14. Um jogo que vai exigir dos jogadores outra postura em campo. Vamos acreditar na equipa e continuar a dar-lhe todo o apoio, mau grado o empate ontem consentido. Nada está perdido. Faltam ainda dois jogos, o equivalente a seis pontos, por isso nada está perdido.
Policarpo da Rosa

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »