Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Nmeros da Zmbia

26 de Março, 2018
Embora o resultado não seja o que se esperava, no quadro das nossas legítimas ambições competitivas, já que um terceiro lugar, expressivamente, fica muito aquém do primeiro, o certo é que a participação de Angola no torneio das \"Quatro Nações\" deu ao seleccionador nacional a possibilidade de trabalhar com um grupo mais completo.
De resto, existe sempre diferença entre trabalhar com um grupo restrito e com um completo. Pois, para o Campeonato Africano das Nações, CHAN\'2018, que foi a primeira prova à frente dos Palancas Negras, Srjdjan Vasiljevic contou com a prata da casa, com a qual conseguiu uma prestação razoável.
Desde então, o objectivo foi dispor da possibilidade de juntar a estes, outros compatriotas que actuam em outros campeonatos. Realmente, o torneio das \"Quatro Nações\" permitiu a união. É certo que a convocatória pode ser que ainda não represente o objectivo supremo do técnico, todavia, não deixou de ser global.
Por aí, podemos aferir, que apesar do título sorrir a uma outra Selecção que participou no certame da Zâmbia, acabou por ser proveitoso. Vasiljevic fica com uma noção mais exacta da equipa com que contar nos compromissos competitivos em vista, com realce para as qualificativas ao CAN\'2019.
É evidente, que uma selecção está sempre sujeita à inovações a reforçar aqui e naqueloutro sector. Seja como for, a base da equipa está sedimentada, o resto é proceder à ligeiras correcções aqui e ali, determinadas pelo rendimento individual dos convocados, já que nem sempre todos revelam uma correspondência ao mesmo nível.
Assim, quando chegar o momento de convocar a equipa para a próxima vez, o corpo técnico já não vai ter qualquer dificuldade em acertar com relação às unidas que possam concorrer para a formação de uma equipa coesão, é capaz de traduzir na prática o que representa os anseios do seleccionador nacional.
De volta ao torneio das \"Quatro Nações\", pensamos que não se deve subestimar a classificação obtida. É uma certeza, que qualquer membro da tribo do futebol, esperava por uma classificação melhor. Entretanto, se olharmos para o que foi a prestação das equipas que disputaram o torneio, chegamos à fácil conclusão de que os números classificativos não destoaram.
No plano competitivo, África do Sul e Zâmbia são superiores a Angola, e este melhor que o Zimbabwe. Portanto, a classificação reflecte o potencial das equipas. Cabe-nos, agora, trabalhar em busca de uma inversão positiva do quadro. Isto é, crescer e superar, competitivamente, quem hoje se apresenta melhor em relação a nós.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »