Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

No bom caminho

10 de Setembro, 2018
Estatísticas não ganham jogos mas a vantagem que os Palancas Negras levam em relação às Zebras do Botswana, nos jogos entre si, ontem reforçada com o triunfo no Estádio 11 de Novembro, sempre acabam por dar alento, como se viu, com a grande empatia entre o público e os jogadores dentro do relvado, que suaram a camisola para continuarem a alimentar o sonho de milhares de angolanos, que é de verem a sua equipa nacional a regressar à maior do futebol africano.
Angolanos e tswaneses partiam em igualdade de circunstância ,antes deste confronto, mercê dos respectivos desaires das suas selecções na abertura das hostilidades do grupo I da corrida ao CAN dos Camarões.
Para qualquer uma delas, uma nova derrota iria colocá-las em situação mais aflitiva. Depois da derrota na ronda inaugural, por 1-3, em Ouagadougou, frente ao Burkina Faso, em Junho de 2017, os Palancas Negras tinham de fazer pela vida, tirar partido do factor casa.
Na condição de visitados, os Palancas Negras tinham a obrigação de não desperdiçar pontos, pois, este deve ser um dos grandes segredos das equipas que eventualmente se venham a qualificar.
Por exemplo, a Mauritânia não concedeu veleidades e despachou no seu reduto o Burkina Faso, selecção à partida conotada como a mais forte no grupo, e que na abertura da corrida, recebeu em venceu o conjunto angolano.
Vê-se, pois, que todos os integrantes do grupo aspiram marcar presença na fase final do CAN, no próximo ano, nos Camarões, e até mesmo a Selecção do Botswana não deve atirar a toalha ao chão, embora seja a que em período mais crítico, com as duas derrotas consentidas nos dois primeiros confrontos em que esteve envolvida.
Angola desanuviou o seu horizonte. Relançou as suas aspirações mas os integrantes do conjunto nacional devem interiorizar que ainda há muito caminho por percorrer. Sem triunfalismos exacerbados, porque a humildade e o respeito pelos adversários deve ser uma das divisas dos Palancas Negras.Mas, tem de acreditar que tem condição de chegar a uma posição mais confortável em termos classificativos, em que com menos três pontos tem na próxima jornada um confronto com o líder.
A vitória de ontem não abriu as portas para uma qualificação iminente. Longe disso. Mas convenhamos que as perspectivas hoje são mais reais, até porque adivinha-se uma segunda volta no grupo bastante envolvente.



Últimas Opinies

  • 17 de Novembro, 2018

    O difcil pasto dos Palancas

    O jogo de amanhã, no estádio “11 de Novembro”, aqui em Luanda, a contar para a quinta jornada do grupo I de qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN) do próximo ano, nos Camarões, afigura-se de sacramental importância por quanto os Palancas Negras precisam de vencer e, só vencer, diante de um adversário poderoso, bem dotado e altamente confiante.

    Ler mais »

  • 17 de Novembro, 2018

    Citaes

    Penso que vamos ter vantagem em todas as posições do relvado. Mas será que isso vai ser suficiente para a vitória? Não sei e nem prometo. Desejo apenas que a equipa de Angola seja a melhor em campo.

    Ler mais »

  • 17 de Novembro, 2018

    Tudo ou nada...

    Angola defronta neste domingo, no Estádio Nacional 11 de Novembro, a similar do Burkina Faso, no primeiro dos dois jogos derradeiros, que podem definir a sua sorte no Grupo I da campanha para a Taça das Nações em futebol de 2019, a ter lugar nos Camarões.

    Ler mais »

  • 15 de Novembro, 2018

    Trocar reticncias pelo que faltava dizer

    Regresso às reticências deixadas no meu último texto “Demo branco e nossos Pelé com muleta”, para trazer à estampa aquela continuação que havia faltado.

    Ler mais »

  • 15 de Novembro, 2018

    A Taa do Mundo nossa!

    A selecção nacional de futebol adaptado, realizou uma grande e histórica façanha, ao vencer o 14º campeonato do Mundo de futebol adaptado a jogadores com muletas, realizado na cidade de Guadalajara (México).  A caminho da comemoração do 43ª aniversário da independência nacional, os “sete magníficos” de Angola, lutaram tenazmente nos relvados, para brindarem-nos com o cobiçado troféu.

    Ler mais »

Ver todas »