Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

No caminho certo

27 de Junho, 2017
A História ensina os homens a saberem conter os ânimos e as emoções. Ensina a nunca embandeirar em arco nem em expressão triunfalista, por vencer uma batalha quando as labaredas da guerra ainda ardem e anunciam outras refregas, que podem ser mais renhidas. Serve o intróito, para a vitória sobre as Ilhas Maurícias, na abertura da Taça Cosafa, a Selecção Nacional deve manter a calma e a serenidade.

O começo de prova foi bom, eleva a motivação do grupo, para os jogos seguintes. Porém, não devem perder de vista, em momento algum, que o torneio promete ainda muita combatividade, face ao que configuram as ambições de outras selecções representadas. De resto, todas estão aí, com o mesmo propósito.

No caso particular de Angola, que é uma equipa à procura de reabilitação depois de sucessivos tropeços, precisa a todo o custo arrancar um excelente desempenho, ainda que por algum motivo não chegue a levantar o troféu, mas consiga convencer pela exibição, tal como o fez no jogo do dia 10, em Ouagadougou, com o Burkina Faso.

Caso chegue à conquista, melhor ainda, seria ouro sobre azul. Pedir a taça, neste torneio regional, não será exigir de mais. Pois, o nosso país colecciona três conquistas, o objectivo consiste em quebrar o jejum que data de 2004, sob as ordens de Oliveira Gonçalves quando ousou subir ao pódio.

Para este fim, a equipa foi para o torneio preparada, pese embora, não beneficiar de uma preparação por aí além, que visasse este objectivo. Aliás, a equipa não vinha de um defeso, tinha feito antes um estágio em terras lusas em véspera do jogo com o Burkina Faso. É certo que a selecção não integra os atletas profissionais, mas a base não deixa de ser a mesma.

Numa altura que os Palancas procuram reconquistar a simpatia do grande público, uma vitória na Cosafa significava o renascer de esperanças, de uma equipa capaz de satisfazer os anseios de todos angolanos, que no dia-a-dia, vivem o futebol com redobrada expectativa, que leva-os a crer num day after futebolístico melhor.

De resto, não é menos verdade, que são as conquistas que valorizam determinada equipa. Por exemplo, no caso de Angola vencer a Taça Cosafa, seria encarada noutra perspectiva, por outras selecções com quem possa cruzar, quer nas eliminatórias aos CHAN’2018 quer nas eliminatórias ao CAN\'2019.

Vamos esperar que a equipa tenha o mesmo desempenho no jogo de hoje contra a Tanzânia, que em caso de vitória lhe poderá conduzirá à liderança do grupo , aproximando-se do seu objectivo. Força Palancas...

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »