Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Nova contrariedade

25 de Julho, 2015
Aindisponibilidade do poste Yannick Moreia de representar a Selecção Nacional de basquetebol no Afrobasket da Tunísia, em que participa na condição de campeão em título e como tal com o fito de defender o troféu conquistado em Abidjan, é mais uma contrariedade para o seleccionado nacional.

O facto, do poste angolano fazer a pré-temporada com os Los Angeles Clippers, equipa da liga norte-americano, inviabiliza a participação no campeonato africano de Tunes, uma grande baixa que se junta às ausências de Olímpio Cipriano, Sílvio Sousa e à incerteza de Domingos Bonifácio, em recuperação depois de submetido à uma cirurgia.

É verdade, que a ausência de Yannick é um grande revés para o conjunto, mas é preciso acreditar que só os presentes fazem falta, tal como o próprio jogador fez questão de realçar, quando anunciou e deplorou a indisponibilidade, naquele que podia ser o seu primeiro “africano” a envergar a camisola da selecção nacional.

Essas contrariedades, podem baralhar as contas do seleccionador Moncho Lopéz, mas um conjunto que quer ser campeão não pode, de modo algum, assentar a estratégia em um ou dois jogadores.

O técnico Moncho Lopéz, por esta altura, tem alternativas para colmatar essas ausências, que em momento algum podem desviar o conjunto nacional do principal objectivo, que é a reconquista do título e consequentemente, o apuramento para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, do próximo ano.

O basquetebol é um jogo colectivo. E mesmo, sem jogadores a evoluírem nas grandes ligas mundiais, como nos Estados Unidos, em Espanha ou mesmo até no campeonato turco, Angola tem dado cartas com uma sequência de títulos impressionante, só quebrada aquando da perda do título no Campeonato Africano do Madagáscar, para a Tunísia, devido à preparação atípica do conjunto nacional. Logo recuperado, no Afrobasket disputado na Costa do Marfim, com a Selecção Nacional a exibir todo o seu poderio, ergueu o troféu de campeão continental.

Angola vai para a Tunísia com a certeza na vitória, ainda que, seja o principal alvo a abater por parte das demais selecções, principalmente, aquelas que há muito espreitam os Jogos Olímpicos e que vêem sempre o seu sonho esfumar-se devido a hegemonia do “cinco” nacional, que nunca lhes deu espaço.

Com a ausência confirmada desses jogadores, resta seguir em frente na preparação da equipa para a fase derradeira, quando no palco da competição se abrirem as hostilidades, no bom sentido, claro, e o conjunto nacional começar a esboçar aquilo que será a caminhada até chegar ao ponto mais alto do pódio.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »