Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Nova era para os Palancas

16 de Março, 2017
Depois de mais ou menos semana e meia, da Federação Angolana de Futebol ter firmado vínculo contratual com o hispano-brasileiro Beto Bianchi, os Palancas Negras voltam a ter condições objectivas para iniciar um novo ciclo competitivo.

Ontem, o novo seleccionador fez a convocatória dos atletas com os quais vai enfrentar o seu primeiro teste, à frente da Selecção Nacional.

A FAF rompeu o vínculo contratual com José Kilamba, que sucedeu no cargo a Romeu Filemon, com o objectivo de qualificar os Palancas Negras para o CAN disputado este ano no Gabão, e para as eliminatórias de acesso ao Campeonato do Mundo da Rússia, no próximo ano. Infelizmente, nenhum dos objectivos foi concretizado, e com novos inquilinos a gerir a Federação, optou pela contratação de um novo treinador.

Impunha-se, por assim dizer, uma tomada de posição corajosa como forma de tirar a equipa nacional da série de maus resultados, ou se preferirem da fase de improdutividade futebolística. É evidente, que as culpas de tal desiderato, que levaram a uma queda vertiginosa de Angola no ranking da FIFA, não devem ser todas assacadas ao último, ou aos últimos treinadores que passaram pelos Palancas Negras.

Temos presente, também, um conjunto de erros administrativos que directa ou indirectamente afectaram em muitos casos, o desempenho pouco conseguido da equipa nacional, nos últimos tempos. É verdade, que noves fora todos estes constrangimentos, existem outros factores que levaram ao baixo rendimento da Selecção Nacional.

Quem acompanha com alguma atenção o futebol nacional, desde os primórdios da Independência Nacional, sabe que o país já viveu momentos áureos, quer a nível do futebol doméstico, quer quando das nossas equipas ou selecções estivessem em competições internacionais.

A qualidade futebolística era acompanhada da qualidade evidenciada pelos próprios jogadores. É só lembrar os nomes, desde a era do Brinca N\'areia e de Jordão, com passagem por Ndunguidi, Jesus, e outros, a fechar mais ou menos com Akwá.

Depois disso, a qualidade caiu drasticamente, com reflexos negativos à vista, não obstante alguns momentos ilusórios - qualificação a vários CAN e a um Mundial (2006) - que deram a falsa sensação de que estávamos no bom caminho.

Com a contratação de Beto Bianchi e com a sua primeira convocatória, espera-se pelo resgate do prestígio do futebol nacional , e a reafirmação do país como uma das potências da região.

Dentro de pouco tempo, começam as eliminatórias para o CAN 2019, nos Camarões, e seria bom que Angola não voltasse a ficar de fora.Não se pretende, com isso, fazer pressão sobre o novo seleccionador, que vai precisar de tempo para implementar a sua filosofia, num momento particularmente difícil, que vive a FAF. Mas com vontade e muito trabalho são possíveis as conquistas. Que se inicie, pois, uma nova era para os Palancas Negras.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »