Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Novo abalo

09 de Junho, 2018
O Kabuscorp do Palanca acaba de sofrer, numa só sentada, mais dois revezes, o que é caso para dizer que, um mal nunca vem só, depois da perda dos primeiros seis pontos pelo \"caso Rivaldo\", como consequência do diferente que opõe o clube do Palanca ao ex-internacional e campeão do mundo brasileiro.
Novamente, por decisão da Federação Internacional de Futebol Associado, com a FAF a dar o devido cumprimento, o Kabuscorp fica mais sem seis pontos no Girabola, devido ao litígio que o envolve com o clube TP Mazembe do Congo Democrático, e que tem a haver com a transferência do antigo craque Tresor Mputo para o Girabola, naquela que foi uma das grandes transferências para o futebol angolano.
Com os casos de incumprimentos da parte da agremiação angolana a chegarem ao órgão reitor do futebol mundial, Angola também acaba por ficar mal na fotografia, até porque a própria FAF também já foi obrigada pela FIFA a zelar pelo cumprimento dos seus contratos, particularmente no \"caso Alhinho\", em que um dos visados foi o já falecido treinador dos Palancas Negras.
O Kabuscorp conseguiu fazer grandes jogadas de marketing com Rivaldo e Mputo no Girabola, pois ambos eram jogadores com préstimos firmados. O primeiro campeão do mundo pelo Brasil e o segundo o melhor jogador africano na altura, o que manteve sempre o nome do clube e de Angola nos noticiários fora do país.
Porém, e porque os contratos devem ser cumpridos dos dois lados, ao perdurar o seu incumprimento pela agremiação do Palanca, é evidente que teria dividendos negativos, reflectidos agora na perda de 12 pontos no presente campeonato.
O horizonte não é nada brilhante para o clube angolano, que a arrastar-se a situação corre o risco até de descer de divisão e mesmo até ficar impedido de participar na maior prova de futebol do país, a igual do que acontece, neste momento, com o Futebol Clube de Cabinda que, sem dinheiro para honrar os seus compromissos, está simplesmente afastado dos palcos futebolísticos.
A todos esses males, junta-se também a proibição da FAF ao Kabuscorp em oficializar novos contratos com treinadores e jogadores, enquanto não solucionar o diferendo com os seus ex-treinadores, entre os quais o técnico Romeu Filemon.
O vento sopra na direcção errada da formação do Palanca. Até bem pouco tempo, o Kabuscorp era uma agremiação que dava mostras de ser uma da mais estáveis em termos financeiros cá da praça, mas os últimos desenvolvimentos colocam-na no patamar de conjuntos pedintes, com calotes às costas.E a procissão parece que ainda vai no adro.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »