Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Novos desafios

03 de Janeiro, 2019
Dissemo-lo, na sequência da abordagem que fizemos, na última edição de 2018 no tocante ao plano desportivo, relativamente aos seus altos e baixos. Apesar das dificuldades impostas pela própria conjuntura, ainda assim, houve resultados positivos em certas disciplinas, como foram as qualificações de algumas selecções para as competições marcadas para o presente ano.
O ano que começa reserva-nos desafios, que devem ser vencidos com mais ou menos dificuldades. Aliás, se o exercício do ano findo obrigou a deixar alguns projectos para trás, é lógico que estes devem constar do pacote dos que devem ser resolvidos, obrigatoriamente, mesmo que as limitações financeiras se posicionem de permeio.
É certo, que a nível de clubes, Associações e Federações, o exercício administrativo não é fácil, porque as limitações financeiras avultam. Ainda assim, é notório o esforço imprimido pelos seus gestores em busca de soluções pontuais para as principais necessidades, mesmo que tenham às vezes, de partir para a definição de prioridades.
E, é precisamente aqui, em que as acções tidas como de menor importância saem prejudicadas. Pois, definição de prioridade pressupõe dar primazia ao que se assume mais importante e deixar para posição secundária outras, que muitas vezes também têm utilidade, como as acções de formação, por exemplo.
Competitivamente, Angola tem para o presente ano a ingente missão de disputar os campeonatos do mundo de basquetebol sénior masculino e de andebol sénior feminino. Quer para uma, como para a outra prova, o objectivo assenta na melhoria de classificações anteriores. Isto, implica um acompanhamento e uma preparação cuidada das selecções.
De igual modo, espera-se que a Selecção Nacional de futebol consiga a qualificação para o Campeonato Africano das Nações, objectivo que depende, unicamente, de uma vitória na última jornada do torneio agendada para Março, com o Botswana, em Gaberone. Angola não participa na maior cimeira do futebol africano desde 2013, na África do Sul.
A nível de competições internas, espera-se, logicamente, por uma nova lufada de ar, ou de uma maior vitalidade. Pois, notou-se uma certa quebra de competitividade no Girabola e no Unitel -Basket, sobretudo. O declínio talvez se explique, pelo potencial financeiro de algumas equipas, que se sobrepõe às limitações de outras.
No futebol, o Recreativo do Libolo e Kabuscorp do Palanca, em determinada fase, \"sequestraram\" o poder competitivo, todavia, perderam o fulgor de outros tempos, devolveram terreno aos tradicionais 1º de Agosto e Petro de Luanda. Ainda assim, com os militares a darem uma \"cabazada\" ao seu rival do \"Eixo -Viário.\"
Na bola ao cesto nada é diferente. Um dos campeões, já com outra insígnia, Sport Libolo e Benfica (antes Recreativo do Libolo), foi extinto por dificuldades financeiras, deixou o poder competitivo resumido à duas equipas, nomeadamente, 1º de Agosto e Petro de Luanda. Vamos esperar e ver se o quadro melhora em 2019.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »