Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Novos tempos

27 de Dezembro, 2018
Vezes sem conta, com a cabeça às voltas, tentamos perceber se a fraca vitalidade dos nossos desportos mais representativos, estará relacionada à mudanças dos tempos, à recessão económica galopante do país, ou à argúcia dos seus gestores.
À partida, o tema é discutível. Alguém, pode ver na recessão económica, o leit-motiv. Outro, incapaz de tergiversar, pode associar o mau momento de algumas modalidades, à falta de diligência dos seus gestores.
Na verdade, a falar só de futebol, basquetebol e andebol, por que o espaço não dá sequer margem de manobra para se estender mais além, as coisas mudaram de figura num estalar de dedos, com prestações competitivas muito aquém do que se podia augurar de um país pacificado.
O desporto-rei conheceu o boom, na gestão de Armando Machado, com a entrada em Campeonatos Africanos das Nações, em 1996, tentou com Justino Fernandes manter a áurea. Porém, Pedro Neto que por sinal ficou catalogado como vencedor, enquanto presidente directivo do 1º de Agosto, a prestação e os resultados revelavam alguma timidez.
Artur de Almeida e pares procuram devolver o futebol e pô-lo nos carris, mas a empreitada não é fácil. É longo, o cortejo de dificuldades, enorme o receio de fracasso. Os tempos são, realmente, outros. Do ponto de vista competitivo, se o Girabola regrediu, a nível da Selecção A, nota-se haver alguma evolução. Vamos lá ver, se consegue a tão ansiada qualificação ao CAN\'2019
Na bola ao cesto, se a passagem de testemunho de Carlos Teixeira \"Cagi\", para Pires Ferreira e deste para Gustavo da Conceição foi pacifica, marcada por uma boa política na continuidade, o mesmo não se pode dizer do actual presidente do COA, Paulo Madeira. Foi, precisamente no consulado deste, que as fundações do sólido edifício do nosso basquetebol começaram a ruir.
Em 2011, de Antananarivo veio o primeiro sinal, de dias pouco bonançosos. Claro, que o jovem dirigente não engoliu a desfeita, foi à luta, na edição seguinte na Costa do Marfim deu a volta por cima, que acabou por ser o último dos 11 títulos que Angola tem no palmarés. Na actual direcção, parece \"preto no branco\" que o reinado chegou ao fim, em obediência à lógica de que tudo que tem começo, encontra um fim.
Quem manteve firmeza e vitalidade, foi, indubitavelmente, o andebol. O segredo esteve sempre na coesão da equipa de gestão. O actual presidente de direcção, Pedro Godinho, é alguém que cresceu na casa, galgou a escada da hierarquia, degrau em degrau, até chegar ao topo. É empreendedor e visionário.
Agora, de sua viva voz veio a público, anunciar o abandono, depois dos Jogos Olímpicos de 2020, começam a pairar receios de uma outra modalidade super-ganhadora conhecer o colapso, ou ter o destino das que caíram na esterilidade.


Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »