Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O adeus prematuro

04 de Julho, 2019
Tal como ocorreu em cinco das anteriores sete edições que participou, Angola volta a dizer adeus, de forma prematura, a uma fase final da Taça de África das Nações em futebol. E tudo porque faltou crença e, acima de tudo, vontade de suplantar o Mali, adversário da última jornada do Grupo E da fase preliminar e com quem perdeu por 0-1.
Em três jogos realizados nesta fase inicial do Campeonato Africano das Nações a Selecção Nacional não conseguiu mais do que dois pontos, fruto de igual cifra de empates e a já referenciada derrota.
Portanto, um escasso ponto, era o quanto bastava, na derradeira jornada do Grupo E, para que Angola transpusesse, pela terceira vez no seu historial, a barreira da primeira fase, depois de atingir esses objectivos nas edições de 2008 e de 2010.
No CAN de 2008, no Ghana, os Palancas Negras atingiram, pela primeira vez, os quartos-de-final, voltando a repetir a proeza dois anos depois, na prova organizada no país. Nesta 32ª edição da maior montra do futebol africano, que o Egipto acolhe desde 21 de Junho último e que se prolonga até dia 19 do mês em curso, esperava-se uma atitude mais ousada do conjunto. Inicialmente, traçou-se como meta chegar o mais longe possível. Isso implicava, em primeira instância, chegar à outra fase.
Não obstante, nessa edição a primeira barreira da fase subsequente corresponder apenas aos oitavos-de-final, dado o aumento de dezasseis para 24 selecções, ainda assim era crível que o combinado angolano pudesse garantir esse objectivo.
Os Palancas tiveram tudo a sua mercê, para lograrem o passe para os “oitavos”, já que, por força da presença de 24 selecções, passariam para esta etapa os dois primeiros de cada um dos seis grupos e mais os quatro melhores terceiros classificados do geral. Angola, por incrível que pareça, foi o pior terceiro classificado. Somou apenas os já referenciados dois pontos, contra três do Quénia (no Grupo C), que viu os seus intentos de chegar à outra fase gorados pelo saldo negativo de dois golos.
A África do Sul, igualmente com três pontos (no Grupo D) e não obstante o saldo também negativo - mas apenas de um golo -, a par da República de Democrática do Congo (que esteve no A) e do Benin (F), que atingiram a mesma cifra, garantiram a qualificação para os oitavos-de-final. Entre os quatros terceiros melhores do geral ficou, ainda, a Guiné-Conacry, por sinal a única selecção que chegou ao quatro pontos.
E voltando a transcorrer no leito do que foi a prestação dos Palancas neste CAN, salta ainda à vista o facto da ineficácia ofensiva evidenciada ao cabo dos três jogos, que fez com que se deitasse por terra as chances de chegarem à outra fase.
Angola paga caro a factura pela falta de ousadia e vontade de vencer. Por isso, o afastamento prematuro desta fase final do CAN é um castigo (bem) merecido. E mais ainda: a derrocada dos Palancas começou com a preparação pouco convincente, em que efectuou apenas um único teste com a Guiné-Bissau, assim como os vários problemas que afectaram o conjunto na antecâmara deste torneio, sobretudo no concernente a desonra em relação aos prémios de jogos e subsídios diários para atletas, membros da equipa técnica e outros intervenientes do grupo de trabalho.

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »