Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O apelo da ministra

28 de Maio, 2018
O apelo feito sábado último, no Kwanza-Norte, pela ministra da Juventude e Desporto, para a necessidade de se preservarem os recintos desportivos existentes, não deve se resumir aos agentes desportivos e actores sociais daquela província. A chamada de atenção de Ana Paula Sacramento deve despertar a atenção de todos quantos no nosso país lidam com a vida desportiva.
Na verdade, tem havido nos últimos tempos muito descuido com as infra-estruturas desportivas no país, atingindo a situação contornos preocupantes que despertam a atenção até de quem seja assumidamente leigo em matéria desportiva. Afinal a excepção da pesca e do paraquedismo não há modalidade alguma que se desenvolva na ausência de recinto apropriado.
Mesmo que o objectivo não seja competir ao mais alto nível, o desporto, enquanto actividade social, acaba por ser sempre necessário para qualquer comunidade. Por aí, agredir ou vandalizar os recintos da sua praticabilidade é no mínimo revelar-se avesso a actividade desportiva, avesso a uma condição de vida sadia.
Mais do que isso, também será tirar valor a algo construído com capital público, e que deve merecer o cuidado dos utentes. Também é sabido que muitas vezes a deterioração não resulta de actos de vandalismo que sejam protagonizados por populares, mas de políticas de gestão muito mal concebidas. Toda obra humana quando não beneficia da competente manutenção dura menos tempo.
Aliás, exemplos disto avultam pelo país, sendo o caso mais bizarro de alguns pavilhões multiuso, construídos em diferentes cidades para o último Afrobasket que Angola recebeu, em 2007, passando-se o mesmo com dois estádios dos quatro construídos para o Campeonato Africano das Nações de futebol em 2010.
Sendo, no caso dos estádios, infra-estruturas apetrechadas com espaços para outros serviços extra-desportos não se percebe, realmente, por que razão se chega a este estágio. Pois, só as receitas arrecadadas com o arrendamento destes espaços chegam e sobrar para a sua manutenção, em especial a rega e tratamento da relva, que é o seu elemento fundamental.
A problemática do abandono e degradação de recintos desportivos deve chamar a atenção do pelouro desportivo, de modo que se possam encontrar soluções pontuais da mesma, nem que para tanto, e sobre concurso público, se decida pela sua privatização. Pela forma determinada como nos entregamos à sua construção, deixando-os no estado em que se encontram corremos o risco de sermos tomados por outros países como brincalhões.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »