Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O caminho este

29 de Novembro, 2017
Disputada a primeira fase do torneio de acesso ao Campeonato do Mundo de Basquetebol, com três vitórias para o cinco nacional, as atenções dos adeptos da modalidade resumem-se nas exibições e nos resultados. É no entanto, a primeira questão que mais consome energias dos adeptos, habituados as grandes exibições da equipa nacional, sempre com os bons resultados.
Nos últimos anos por conta da troca constante de treinadores e menosprezo ao trabalho de formação, a nossa selecção nacional deixou de ser a toda poderosa que batia todos os adversários sem apelo nem agravo. Defrontar hoje a Tunísia, por exemplo, tornou-se complicadíssimo. Não se sabe se por conta da evolução dos outros ou por nossa inteira culpa, dado que já não se faz um trabalho aturado, e experimentamos treinadores de qualquer nacionalidade.
Porém, o novo seleccionador nacional acedeu uma luz, na entrevista que concedeu à Rádio Cinco, na qual exprime o projecto que tem com o cinco nacional. Disse, entre outras coisas, que quer fazer um trabalho estruturante, pelo que os resultados nesta fase não lhe interessam muito.
Mesmo perdendo os dois primeiros jogos, com Marrocos e o Egipto, o treinador nacional disse que iria manter a aposta nos atletas jovens. É precisamente por esse ponto que ele devia merecer todo nosso apoio, e por arrasto a Federação Angolana de Basquetebol. Faz tempo que não temos seleccionadores concentrados em trabalho estruturado, devolvendo a hegemonia que o nosso basquetebol conquistou no continente. Nem dúvida que sejamos um País do basquetebol. Apesar de tudo, temos hoje matéria prima para manter no topo a nossa bandeira.
O resto, será trabalha esta matéria prima, algo que exige alguma organização e mais do que isso entrega e dedicação daqueles que se acharem à frente deste compromisso. pois, não devemos perder de vista que os patamares alcançados num passado não muito distante, se deveram a um trabalho sério de sondagem e prospecção de talentos que teve como obreiros professores como Vitorino Cunha e Valdemiro Romero, sobretudo estes dois.
A geração de Yannick, Silvio, Lukeny, Jungo, Gerson, Valdelício e outros pode, se for bem trabalhada, levar o País de volta ao primeiro lugar do basquetebol africano, e experimentar resultados melhores nos mundiais e Jogos Olímpicos. Precisamos pois de dar uma mão à FAB e ao seleccionador nacional. O caminho que o basquetebol precisa é definitivamente este.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »