Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O caminho este

29 de Novembro, 2017
Disputada a primeira fase do torneio de acesso ao Campeonato do Mundo de Basquetebol, com três vitórias para o cinco nacional, as atenções dos adeptos da modalidade resumem-se nas exibições e nos resultados. É no entanto, a primeira questão que mais consome energias dos adeptos, habituados as grandes exibições da equipa nacional, sempre com os bons resultados.
Nos últimos anos por conta da troca constante de treinadores e menosprezo ao trabalho de formação, a nossa selecção nacional deixou de ser a toda poderosa que batia todos os adversários sem apelo nem agravo. Defrontar hoje a Tunísia, por exemplo, tornou-se complicadíssimo. Não se sabe se por conta da evolução dos outros ou por nossa inteira culpa, dado que já não se faz um trabalho aturado, e experimentamos treinadores de qualquer nacionalidade.
Porém, o novo seleccionador nacional acedeu uma luz, na entrevista que concedeu à Rádio Cinco, na qual exprime o projecto que tem com o cinco nacional. Disse, entre outras coisas, que quer fazer um trabalho estruturante, pelo que os resultados nesta fase não lhe interessam muito.
Mesmo perdendo os dois primeiros jogos, com Marrocos e o Egipto, o treinador nacional disse que iria manter a aposta nos atletas jovens. É precisamente por esse ponto que ele devia merecer todo nosso apoio, e por arrasto a Federação Angolana de Basquetebol. Faz tempo que não temos seleccionadores concentrados em trabalho estruturado, devolvendo a hegemonia que o nosso basquetebol conquistou no continente. Nem dúvida que sejamos um País do basquetebol. Apesar de tudo, temos hoje matéria prima para manter no topo a nossa bandeira.
O resto, será trabalha esta matéria prima, algo que exige alguma organização e mais do que isso entrega e dedicação daqueles que se acharem à frente deste compromisso. pois, não devemos perder de vista que os patamares alcançados num passado não muito distante, se deveram a um trabalho sério de sondagem e prospecção de talentos que teve como obreiros professores como Vitorino Cunha e Valdemiro Romero, sobretudo estes dois.
A geração de Yannick, Silvio, Lukeny, Jungo, Gerson, Valdelício e outros pode, se for bem trabalhada, levar o País de volta ao primeiro lugar do basquetebol africano, e experimentar resultados melhores nos mundiais e Jogos Olímpicos. Precisamos pois de dar uma mão à FAB e ao seleccionador nacional. O caminho que o basquetebol precisa é definitivamente este.

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »