Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O divrcio anunciado

22 de Agosto, 2019
Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país. Na verdade é um desenlace que já se previa, a julgar pela onda descontentamento reinante no seio dos Palancas Negras nos últimos tempos.
Agora paira no ar uma série de inquietações. Uma dessas prende-se, efectivamente, com o pouco tempo de trabalho que terá o seu sucessor, o português Pedro Gonçalves, que também dirige os destinos da Selecção Nacional de Sub-17, que projecta a sua campanha no Mundial da categoria, de 26 de Outubro e a 17 de Novembro deste ano no Brasil. Pedro Gonçalves tem, assim, a árdua tarefa de orientar a equipa nacional na primeira “mão” da pré-eliminatória de acesso a fase de grupos de apuramento rumo ao Mundial de 2022, no Qatar.
Para essa empreitada, que acontece dentro de aproximadamente três anos, Angola enfrenta a Gâmbia a 6 de Setembro, em Banjul. É um jogo de carácter crucial para os Palancas, que estão proibidos de falhar se quiserem alcançar o seu primeiro objectivo, que passa em primeira instância pela qualificação à próxima etapa. Por isso, a tarefa é colossal e o jogo de “vida ou morte”.
A Selecção Nacional precisa resgatar a sua mística para, efectivamente, reactivar a afinidade com os seus adeptos, ávidos de verem o conjunto reencontrar os caminhos do êxito, depois dos fracassos que vem coleccionando. O primeiro deste foi, precisamente, aquando da realização do Campeonato Africano das Nações (CAN) deste ano, em que Angola não foi além da fase de grupos, e que fontes federativos alegam ter havido sabotagem por parte de integrantes da equipa técnica liderada por Srdjan Vasiljevic. Durante a sua campanha, Angola não conseguiu evitar a terceira posição com dois pontos, fruto de dois empates, um a um tento com a Tunísia e outro nulo com a Mauritânia, bem assim como derrota de 0-1 frente ao Mali. Por arrasto, os Palancas foram os piores terceiros classificados dos seis grupos da prova o Egipto acolheu entre 21 de Junho e 19 Julho. Depois de hipotecar a sua sorte neste CAN, o combinado nacional voltou ainda a desperdiçar a oportunidade de entrar para as eliminatórias de acesso ao CHAN do próximo ano, que terá como palco os Camarões.
E tudo pelo fraco desempenho que teve diante da congénere da eSwatini (ex-Reino da Swazilândia) no jogo da preliminar, em que empatou curiosamente em Mbabane e em Luanda a um tento, vindo depois a cair aos pés deste adversário na lotaria das grandes penalidade, em que perdeu por 4-5. O técnico sérvio recusou orientar o conjunto no jogo da preliminar desta montra do futebol africano reservada apenas para atletas que actuam nas provas internas dos respectivos países. O afastamento foi um descalabro total. Não só pelo facto de a eSwatini ser uma adversário de quilate inferior, mas sobretudo pela onda de descontentamento que se assinalava no seio da equipa técnica dos Palancas e dos jogadores, por algumas desonras da Federação Angolana de Futebol (FAF), liderada por Artur de Almeida e Silva. Ao que tudo indica este mau clima originou o rompimento do contrato com sérvio Srdjan Vasiljevic, que, diga-se de passagem, até estava a realizar um bom trabalho.

Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »